A pensar em comprar casa a crédito? Saiba como calcular o LTV

Se está a pensar em comprar casa, há termos com os quais vai ter de lidar e um deles é o Loan-to-Value ou LTV. Descubra, neste artigo, em que consiste e como calcular.

Não será provavelmente uma novidade o facto de que, quando recorre a crédito à habitação, nenhuma instituição bancária lhe irá conceder a totalidade do valor da casa. Quanto maior for o montante emprestado, maior é o risco que o banco assume.

Por isso, os créditos à habitação costumam representar entre 60% a 80% do valor do imóvel e é por isso que temos de “dar a entrada” para a compra da casa, ou seja, pagar a restante percentagem necessária para o pagamento do imóvel.

O que é então o LTV?

O LTV é um rácio que corresponde à percentagem a ser solicitada aos bancos relativamente ao valor do imóvel. Antigamente, havia LTVs de 120%. Hoje em dia, apesar de haver de 100%, normalmente os bancos definem a percentagem máxima do LTV entre 60% a 80% do valor de avaliação do imóvel.

Em Portugal, o LTV, às vezes, é referido como sendo o “rácio financiamento garantia” e é calculado através da seguinte fórmula:

 

LTV (%) = Montante do Empréstimo / Valor da Garantia

 

Sendo que o valor da garantia é, no caso do crédito à habitação, o imóvel comprado. Se não conseguir levar a cabo o compromisso de pagar o empréstimo, a instituição bancária pode ficar com a casa e vendê-la posteriormente para saldar a dívida.

Por exemplo, a Joana e o Carlos pretendem comprar um imóvel avaliado em 200 mil euros. O banco propõe conceder um crédito de 120 mil euros. Neste caso específico, o cálculo do LTV é o seguinte:

 

LTV (%) = 120.000 / 200.000€ = 60%

Como é que o LTV influencia o custo do empréstimo?

É o LTV que vai definir quão alto é o risco que o banco assume ao emprestar uma quantia tão elevada. Por isso, quanto maior for o risco, maior é a probabilidade do spread ser também mais elevado. 

Ou seja, por mais apelativa que seja a ideia de obter um financiamento o mais próximo possível do valor de avaliação da habitação, irá provavelmente estar a pagar mais por esse empréstimo.

Ainda assim, há vários outros fatores a considerar quando se quer solicitar um crédito à habitação e é o conjunto destes fatores que deverá ajudá-lo a tomar uma decisão: taxas de juro, seguros incluídos, valor das comissões cobradas, prazos e produtos associados.

Deverá também ter em conta se faz mais sentido para si optar por taxa fixa ou variável e, é claro, calcular a sua taxa de esforço.

Ler mais
Relacionadas

Comprar casas em leilão: como obter descontos até 40%?

Sonha em ter uma casa, mas acha que os preços são demasiado elevados? Já considerou procurar casas em leilão? Estas podem custar menos 40% do que uma habitação nova e ainda consegue ter vantagens específicas no crédito à habitação para casas em leilão.

Crédito habitação: 6 formas de negociar o spread com os bancos

Existe um conjunto de requisitos e táticas que permitem negociar o spread com o banco. Descubra quais são.

Respostas Rápidas: Ainda é possível obter crédito habitação com 100% de financiamento?

Descubra se os bancos ainda concedem financiamento sem exigirem qualquer entrada inicial ao consumidor.

Quer saber quanto crédito já amortizou? Use este mapa de prestações

Tem um empréstimo mas não sabe quanto já amortizou e quanto lhe falta pagar? Veja como obter um mapa das suas prestações para garantir que as suas contas mensais ficam organizadas.

Taxa de esforço: veja como calcular “quanto” crédito pode pedir

Para garantir que as prestações dos créditos não desequilibram o orçamento familiar mensal é essencial ter em atenção a taxa de esforço. Veja, neste artigo, como é feito este cálculo.

O banco recusou o seu pedido de crédito? Saiba o que fazer

Caso a concessão de crédito lhe tenha sido recusada aconselhamos que investigue e perceba o porquê da instituição financeira ter tomado tal decisão.
Recomendadas

OCDE diz que economia mundial vai contrair 4,2% em 2020, recuperando 4,2% e 3,7% nos anos seguintes

China vai concentrar um terço do crescimento mundial em 2021 e é a única das principais economias a terminar 2020 com nota positiva. Zona euro sofre uma quebra de 7,5% este ano, e nos seguintes terá, tal como os Estados Unidos, “um contributo menor do que o seu peso na economia mundial” no que toca à recuperação.

OCDE prevê que economia portuguesa cresça apenas 1,7% em 2021 e 1,9% em 2022

“Economic Outlook” prevê recuperação mais lenta da economia nacional do que a prevista pelo Governo e um pico do desemprego no próximo ano. Mas revê em baixa a quebra do PIB em 2020, apontando para 8,4%.

Economia da zona euro precisa de mais apoio com segunda vaga, considera FMI

“Com a segunda vaga, as políticas orçamentais nacionais provavelmente necessitam de dar um apoio geral por mais tempo do que o inicialmente estimado”, indicou o FMI, na sua revisão da economia da zona euro.
Comentários