Viagens aéreas continuam sem descolar: recuperação não chega ao setor da aviação

Organizações do setor da aviação estão cada vez mais pessimistas sobre a recuperação das viagens aéreas. A pandemia, recessão económica e confusão dos passageiros sobre as diferentes medidas adotadas por vários países estão a prolongar o agonizar do setor da aviação.

Vários organismos de aviação reviram recentemente em baixa as suas previsões sobre as viagens aéreas devido a um retomar lento da economia, a desconfiança dos passageiros em relação à Covid-19, e a confusão criada devido às medidas unilaterais impostas por diferentes países que criam confusão nos passageiros.

A Organização Europeia para a Segurança da Navegação Aérea (Eurocontrol) foi uma das organizações que reviu recentemente em baixa as suas previsões para as viagens aéreas.

Para fevereiro de 2021, a Eurocontrol previu em abril deste ano que as viagens aéreas estivessem apenas 15% abaixo do registado em janeiro de 2020.

Em setembro, a Eurocontrol fez uma revisão em baixa: as viagens aéreas em fevereiro de 2021 vão estar 50% abaixo do registado em tempos pré-Covid.

Olhando para este mês, o organismo aponta que o nível de viagens continua 53% abaixo do registado pré-pandemia.

“O nosso cenário poderia melhorar se houvesse mais coordenação entre países sobre a melhor forma de lidar com as viagens aéreas através de testagem harmonizada e critérios comuns de avaliação epidemiológica. Isso iria dar mais previsibilidade aos passageiros, aeroportos e companhias aéreas”, disse o diretor-geral da Eurocontrol, Eamonn Brennan, numa análise divulgada em meados de setembro.

“Isso iria dar mais previsibilidade aos passageiros, aeroportos e companhias áereas. Ao mesmo tempo, poderia ainda piorar mais se os estados continuarem a impor restrições muito alargadas e medidas de quarentena. Esta abordagem está a matar a indústria de viagens e de turismo. Agradecemos à Comissão Europeia por propostas de harmonização e encorajamento a todos para as adotarem”, acrescentou.

Este cenário negativo deve-se a vários fatores, aponta a Eurocontrol: os países continuam sem se coordenar nas suas respostas às viagens aéreas; os passageiros de negócios e de lazer continuam sem voar devido à incerteza da Covid-19, e devido à confusão sobre as medidas de quarentena e restrições a aplicar pelos países; as companhias aéreas vão continuar a reduzir a sua capacidade em resposta à queda nas vendas de bilhetes; o regresso das operações intercontinentais vai ser muito limitado.

“Muitas vezes, essas medidas são anunciadas com muito pouca antecedência. Esta abordagem descoordenada pelos países provocou muita confusão e e provocou desconfiança entre os passageiros. As reservas aéreas para os próximos meses são extremamente baixas”, conclui a Eurocontrol.

Esta organização aponta que as companhias aéreas, aeroportos e gestores de tráfego aéreo na Europa deverão registar um prejuízo de 140 mil milhões de euros este ano.

Também as previsões da ICAO (Organização Internacional da Aviação Civil) têm vindo a deteriorar-se. Em maio, a organização apontava que em dezembro a diferença entre o número de passageiros a voar face ao mesmo mês de 2019 iria ser de menos 19 milhões. Em setembro, a ICAO revia esta estimativa em baixa apontava que em dezembro menos 112 milhões de pessoas iriam voar face ao período homólogo.

A ICAO aponta que a quebra do número de passageiros este ano na Europa vai chegar aos 64,5%, menos 1,600 milhões de passageiros transportados.

As receitas dos aeroportos deverão cair em 65% para menos 38.800 milhões de dólares, com as companhias aéreas europeias a registarem menos 21,5 mil milhões de dólares de lucros este ano.

Por sua vez, Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) aponta que as companhias aéreas mundiais só vão regressar a níveis pré-Covid em 2024.

Mas esta previsão só é válida no melhor cenário, em que as viagens regressam a níveis pré-pandemia rapidamente. Um ano antes, em 2023, as viagens mundiais poderão já estar próximas do ritmo pré-Covid, nos 98% em que 100% representa o nível de viagens mundiais em 2019.

No pior cenário, em que a crise do coronavírus provoca impactos mais duradouros, em 2024 as viagens só vão recuperar três quartos face ao nível pré-Covid.

A reduzida procura por viagens também vai ter impactos nos preços das viagens, com a IATA a prever uma queda nos preços médios dos voos, de 317 dólares em médio em 2019, para 254 dólares em 2020 e 257 dólares em 2021. Assim, face aos preços praticados em 1998, o preço dos bilhetes vai estar 68% mais barato.

Numa análise feita em meados de 2020, a IATA apontava que a recuperação no segundo semestre iria ter lugar “nos mercados domésticos e depois através de uma abertura gradual dos mercados internacionais. Contudo, a recessão global e uma confiança do consumidor fraca vai colocar pressão na recuperação da procura”.

Nas suas contas, a IATA prevê que o yield (a receita gerada por quilómetro voado por passageiro) vai cair 15% em 2020 e 2021 face ao registado em 2019, o que vai implicar menos receitas para as companhias aéreas.

Ler mais
Recomendadas

IPO do grupo Ant regista procura histórica de três biliões de dólares por parte de investidores

Apesar dos riscos de escrutínio, os investidores de retalho e institucionais estão a correr para comprar ações do grupo que opera a maior plataforma de pagamentos da China, bem como outros serviços financeiros.

Sindicato dos tripulantes “não quer acreditar” que a TAP vá reduzir salários

Presidente do SNPVAC, Henrique Louro Martins, disse, em entrevista ao “Público”, que os trabalhadores que representa já perderam grande parte da remuneração e lamenta que a administração ainda não tenha comunicado o plano de reestrutração da transportadora aérea.

PremiumRoger Tamraz: Dos milionários ‘pipelines’ no Médio Oriente ao interesse pelo banco de Isabel dos Santos

Gravitou em negócios da mais alta geopolítica, rodeado por chefes de Estado do Médio Oriente e de antigas repúblicas soviéticas, e fez parcerias com Onassis no Panamá. Agora gere investimentos a partir do Dubai, com russos, chineses e africanos. Aos 80 anos pretende comprar o Eurobic.
Comentários