Abanca sem interesse no Eurobic. Banco espanhol diz que quer crescer através de aquisições em Portugal

Quando questionado sobre se manteria o interesse em retomar as negociações para a compra do EuroBic, o banqueiro espanhol afastou liminarmente esta possibilidade.

Juan Carlos Escotet Rodríguez, presidente do Abanca

O presidente do Conselho de Administração do Abanca, Juan Carlos Escotet disse que desistiu definitivamente do EuroBic, “mas que continua muito atento e interessado em crescer em Portugal e atento a oportunidades”, pois Portugal é um mercado importante para o banco espanhol.

Em junho o Abanca anunciou que desistiu de comprar o EuroBic “uma vez que as condições acordadas para o referido objetivo não foram cumpridas”.

O acordo tinha sido comunicado a 10 de fevereiro de 2020 e tinha sido indicado, como habitual neste tipo de operações, que estava sujeito a determinadas condições. Mas em junho o projecto de aquisição falhou.

O Abanca comunicou esta decisão ao EuroBic e ao Banco de Portugal na altura.

Ainda assim, o Abanca realçou que mantém interesse no mercado português e que “continuará a analisar potenciais operações de aquisição que fomentem sinergias ao seu projeto em Portugal”.

Quando questionado sobre se manteria o interesse em retomar as negociações para a compra do EuroBic na conferência de imprensa de hoje, o banqueiro espanhol afastou liminarmente esta possibilidade.

Abanca reduz lucros em 47% para 133 milhões de euros

Ler mais
Relacionadas

Abanca reduz lucros em 47% para 133 milhões de euros

Juan Carlos Escotet referiu que o Abanca desistiu definitivamente do EuroBic, “mas que continua muito atento e interessado em crescer em Portugal e atento a oportunidades”, pois Portugal é um mercado importante para o banco espanhol. Abanca constituiu imparidades no valor de 163 milhões de euros devido à pandemia da Covid-19.
Recomendadas

ASF não se opôs à fusão da Generali com a Tranquilidade

O Conselho de Administração da ASF, no dia 29 de setembro de 2020, deliberou autorizar a fusão por incorporação da Generali – Companhia de Seguros, e da Generali Vida – Companhia de Seguros, assegurou o regulador em comunicado. Por debaixo da Generali Seguros ficará a Tranquilidade, a Logos e a Açoreana. Tudo marcas que se mantém.

Generali conclui fusão com a Tranquilidade

“Esta fusão permite operar com maior escala e eficiência e a a posição de solidez e solvência financeira e harmoniza o modelo de governo e mecanismos de controlo”, disse o presidente executivo da Generali em Portugal, Pedro Carvalho.

CGD e Cases formalizam parceria para o microcrédito

“Para consubstanciar esta relação na perspetiva financeira, será disponibilizada, ainda em 2020, uma nova linha de apoio às novas microempresas, nas quais se incluem as que recorrem ao microcrédito, com um plafond na ordem dos 50 milhões de euros”, anuncia a CGD.
Comentários