Acesso ao Museu Nacional do Rio de Janeiro desimpedido para ações de prevenção

A entrada no edifício estava bloqueada por causa do risco de desabamento.

Marcelo Sayao/EPA via Lusa

O prédio do Museu Nacional do Rio de Janeiro, assolado pelas chamas há quase duas semanas, será desimpedido apenas para serviços de prevenção e estabilização do edifício. A decisão foi divulgada pela Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil do Rio (Subpdec), vinculada à Secretaria Municipal de Ordem Pública. O local foi atingido pelo incêndio no último dia 2, que destruiu 90% do arquivo que reunia 20 milhões de peças.

A Subpdec informa em nota que a Universidade Federal do Rio de Janeiro assumirá responsabilidade técnica. “Uma equipa de engenheiros da Universidade Federal do Rio de Janeiro assumiu a responsabilidade técnica – condição determinante para o desimpedimento – e, a partir de agora, fica encarregada de serviços emergenciais, de prevenção e estabilização da edificação”

O edifício estava interdito desde o incêndio, por causa do risco de desabamento da estrutura interna. A equipa de engenheiros da UFRJ vai fazer obras de contenção dos escombros. Nesta etapa serão iniciadas as buscas a restos do arquivo que tenham escapado do incêndio.

Porém, de acordo com assessoria de imprensa da UFRJ, o prédio do Museu Nacional permanece interdito pela Polícia Federal até que seja concluído o processo para aquisição de lona de cobertura que vai proteger o arquivo que estiver sob os escombros.

Recomendadas

Obra de Vhils supera estimativas e vende por 15 mil euros em Londres

O artista português, cujo nome verdadeiro é Alexandre Farto, foi um dos nove artistas urbanos que ofereceram obras para serem leiloadas em Londres a favor da Fundação Movember, que faz trabalho na área da saúde mental masculina e prevenção do suicídio.

Ministra da Cultura quer resolver “dossiês prioritários”

Um mês depois de ter tomado posse, sucedendo a Luís Filipe Castro Mendes, e a um ano de distância das eleições legislativas de 2019, Graça Fonseca tem alguns meses para “resolver e desbloquear as questões que foram mais polémicas ao longo deste ano”, como o modelo reformulado de apoio às artes e o regime de autonomia dos museus e monumentos.

OE2019: Manifestação em Lisboa reclama 1% da despesa pública para a Cultura

“A Cultura sai à rua! 1% por todos e para todos” é a palavra de ordem do Sindicato dos Trabalhadores do Espetáculo, do Audiovisual e dos Músicos (CENA-STE), para a concetração marcada para as 17:00, no Rossio, em Lisboa.
Comentários