Acordo Mercosul-UE pode impactar economia brasileira em 79 mil milhões de dólares

A estimativa, até 2025, é da Confederação Nacional do Comércio do Brasil. Considerando a redução de barreiras não tarifárias, o impacto pode chegar aos 112 mil milhões de dólares (aproximadamente 101 mil milhões de euros).

O acordo comercial entre a Mercosul e a União Europeia, fechado no fim de junho, deve impactar a economia brasileira em 79 mil milhões de dólares (cerca de 72 mil milhões de euros) até 2035. A estimativa é da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) do Brasil, que divulgou um estudo sobre a questão, durante a segunda Conferência de Comércio Internacional e Serviços do Mercosul (CI19), realizada na sede da entidade, no Rio de Janeiro.

Considerando a redução de barreiras não tarifárias, o impacto pode chegar aos 112 mil milhões de dólares (aproximadamente 101 mil milhões de euros) no mesmo período, segundo a CNC. Os números estão um pouco abaixo dos divulgados pelo governo brasileiro, de 87,5 mil milhões de dólares (83 mil milhões de euros) e 125 mil milhões de dólares (113 mil milhões de euros), incluindo as barreiras não tarifárias em 15 anos.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, explicou que o Brasil ocupa no momento a presidência temporária do Conselho de Câmaras de Comércio do Mercosul (CCCM), e, por isso, coloca-se na posição de liderar os debates sobre o acordo.

“Mercado exterior é comércio, então, nós estamos inseridos neste contexto. Não só na relação de trocas como também no que diz respeito a turismo, serviços, então esta é a casa para tratar desses assuntos e das relações internacionais”, observou.

O economista da CNC Fábio Bentes, um dos responsáveis pelo estudo, explica que o montante foi calculado somando-se o saldo da balança comercial, estimado em 66 mil milhões de dólares, com o investimento agregado, de 13 mil milhões de dólares, mais 33 mil milhões de dólares pela redução de barreiras como as fitossanitárias, para chegar aos 112 mil milhões de dólares.

Recomendadas

Pandemia põe em risco mais de 40% dos empregos no Algarve, estima OCDE

A OCDE calcula que o emprego poderá cair, em média, entre 4,09% e 4,98% em 2020 nos países que fazem parte da organização, devido à pandemia, sendo que o impacto desta crise difere de país para país e até de região para região.

Crise no mercado de retalho deve ser pior do que crise de 2009

Quando a recuperação económica chegar, a publicação estima que esta seja lenta, uma vez que a maioria dos mercados afetados pela crise de 2008/2009 demorou perto de um ano até que as vendas retomassem a níveis pré-crise.

Orçamento Suplementar ou Retificativo: CFP questiona “porque não alterar nome das leis de revisão orçamental”

O Conselho de Finanças Públicas realça que os termos Orçamento Suplementar ou Retificativo são utilizados pelo Governo, pelo Parlamento e pela opinião pública. Quer ainda seja prevista a obrigatoriedade de apresentação de um relatório e elementos informativos aquando da entrega de propostas de revisão orçamental.
Comentários