Açores: Marcelo “muito impressionado” pela destruição “massiva” do furacão ‘Lorenzo’

A passagem do furacão causou a destruição total do porto das Lajes das Flores, o que colocou em risco o abastecimento ao grupo ocidental do arquipélago. O ‘Lorenzo’ provocou estragos na ordem dos 330 milhões de euros.

O Presidente da República visitou hoje o porto das Lajes das Flores, que ficou destruído após a passagem do furacão ‘Lorenzo’, pelos Açores, mostrando-se “muito impressionado” pela destruição “massiva”.

“Muito impressionado com aquilo que foi descrito pelo Presidente do Governo Regional. O terem estado aqui na véspera (governo regional), pouco tempo antes e o porto ser um e de repente ser uma paisagem completamente diferente. A destruição do porto, que é de facto massiva, massiva, e de tudo o que existia nele. Isso significa que não havia forma de construir pensando no que sucedeu”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas, durante a visita em que foi acompanhado pelo presidente do governo regional dos Açores, Vasco Cordeiro.

O Presidente da República também assinalou a importância da articulação entre Governo Regional e Governo da República para assegurar o abastecimento à ilha e a “tarefa de reconstrução”.

“Olhando para o futuro, também é muito importante a forma como o governo regional, em diálogo com o governo da república, assumiu atarefa da reconstrução, que já começou e já esta a ser feita: o que esta planeado, as fases do abastecimento imediato e garantir esse abastecimento em melhores condições de segurança para o imediato e para durante o inverno, que verdadeiramente ainda não começou”, afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa frisou que, para as soluções mais definitivas, “é preciso mobilizar recursos financeiros”.

“[Para] As soluções mais definitivas, é preciso mobilizar recursos financeiros, que é preciso fazer nas várias áreas, a culminar no novo porto, […] e isso está a ser enfrentado com uma grande determinação e uma grande rapidez”, destacou.

O Presidente da República deixou a garantia que irá visitar a ilha das Flores “mais vezes durante o próximo ano”.

“Virei cá muitas mais vezes durante próximo ano meio para ver andamento das obras, e para mostrar que a solidariedade não se esgota num minuto, num momento e num determinado instante. Não, continua. Eles merecem isso”, afirmou, referindo-se à solidariedade.

A agência Lusa avança ainda que os eurodeputados do PSD vão pedir na próxima segunda-feira, 21 de outubro, que o Parlamento Europeu inclua na sessão plenária desta semana um debate sobre os prejuízos causados pelo furacão, apelando ainda à Comissão Europeia para “verificar a possibilidade de mobilização do Fundo de Solidariedade e apoiar uma eventual reprogramação dos fundos dos Açores para fazer fase aos enormes prejuízos”.

Durante a passagem do furacão ‘Lorenzo’ nos Açores, a 2 de outubro, foram registadas 255 ocorrências e 53 pessoas tiveram de ser realojadas. A passagem do furacão causou a destruição total do porto das Lajes das Flores, o que colocou em risco o abastecimento ao grupo ocidental do arquipélago.

Depois de assegurado o abastecimento através de embarcações de tráfego local (mais pequenas), a empresa Portos dos Açores, que gere as infraestruturas portuárias da região, anunciou no passado sábado que “já estão em curso os trabalhos de preparação do projeto de reconstrução” do porto das Lajes das Flores.

No total, o ‘Lorenzo’ provocou prejuízos de cerca de 330 milhões de euros, segundo anúncio do presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro, na passada segunda-feira.

Ler mais
Relacionadas

Furacão ‘Lorenzo’ provocou prejuízos de 330 milhões de euros

A passagem do furacão no arquipélago dos Açores provocou mais de 250 ocorrências e obrigou ao realojamento de 53 pessoas.

Marca Açores faz cinco anos e quer continuar a valorizar produtos da região

A marca abarca cerca de 200 empresas e é gerida pela Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores.
Recomendadas

Bloco quer valorização de salários que não fique “refém” da concertação social

O primeiro-ministro garantiu que não ficará dependente dos parceiros sociais, mas ignorá-los “nunca”.

PCP considera que reforço salarial é “manifestamente insuficiente” e pede aumento para 850 euros mensais

O PCP considera que a valorização do salário dos trabalhadores é uma “emergência social” e defende que um aumento do SMN para 850 euros é “perfeitamente comportável”.
rui_rio_psd

Rui Rio pergunta se o Governo irá nivelar salário mínimo de trabalhadores do setor público e privado

Líder social-democrata diz que “não é justo tratar de forma desigual aquilo que deve ser igual”, enquanto António Costa argumenta que “nunca houve e nunca vai haver salário mínimo na função pública. E desafia Rio a dizer se pretende o congelamento das remunerações-base dos funcionários públicos.
Comentários