ActivoBank lança ‘app’ ActivoTrader para clientes particulares

O ActivoTrader permite negociar Ações, ETF’s, Warrants, Certificados e Obrigações nas principais praças mundiais.

ActivoBank Amoreiras Lisboa

O ActivoBank acaba de lançar a App ActivoTrader que “permite acompanhar a evolução dos mercados de forma efetiva”, diz o banco do Grupo BCP em comunicado.

Esta aplicação “destina-se a clientes particulares que fazem negociação em bolsa, ou acompanham os mercados, e evidencia-se pelas suas ferramentas e por uma experiência de utilização intuitiva”.

O ActivoTrader permite negociar Ações, ETF’s, Warrants, Certificados e Obrigações nas principais praças mundiais e “destaca-se também pela informação que disponibiliza, permitindo uma negociação imediata”, diz a instituição. De salientar “a possibilidade de cotações em real-time, criação de favoritos e watchlists, streaming de cotações com atualização automática, gráficos interativos de análise técnica e feed com as principais notícias sobre mercados”, refere.

O acesso é possível através de impressão digital ou reconhecimento facial, o que o banco diz ser uma solução segura e simplificada.

“Todas as funcionalidades apresentam-se, assim, com um design moderno, simplificado e user friendly”, revela o Activobank.

“O lançamento desta plataforma de negociação solidifica o compromisso do ActivoBank em simplificar o dia-a-dia dos seus Clientes e reforça aposta do Banco no digital”, refere o banco.

Ler mais
Recomendadas

FinTech provocaram a disrupção da cadeia de valor da banca

Parece consensual entre ‘experts’ que o futuro dos bancos passa por entrarem nas ‘apps’ do telemóvel e que as FinTech vão ser os seus parceiros da inovação tecnológica.

CGD baixa taxa mínima do spread para 1,23%. É o sexto banco a baixar custo do crédito à habitação

Em quatro meses, desde janeiro, seis bancos já reviram em baixa o spread mínimo cobrado aos clientes. O último a fazê-lo foi a CGD, depois do EuroBic, do BPI, do Crédito Agrícola, do Santander Totta e do Montepio.

Deutsche Bank envolvido em esquema de lavagem de dinheiro de 20 mil milhões de dólares sem saber

Ao que tudo indica, entre 2010 e 2014, criminosos russos com ligações ao Kremlin e com o FSB, o sucessor do antigo KGB, utilizaram a operação de lavagem de dinheiro, intitulada Global Laundromat, para colocar capital no sistema financeiro mundial.
Comentários