AEP e Euronext apresentam novas formas de financiamento para as empresas

As duas instituições vão organizar um seminário no edifício de serviços da AEP, em Leça da Palmeira, em que se vão discutir certificados de dívida de curto prazo, emissões de obrigações e Sociedades de Investimento Mobiliário para o Fomento da Economia (SIMFE).

A AEP – Associação Empresarial de Portugal e a Euronext apresentam hoje, a partir das 15 horas, as novas oportunidades de financiamento a que as empresas nacionais podem recorrer.

As duas instituições vão organizar um seminário no edifício de serviços da AEP, em Leça da Palmeira, em que se vão discutir certificados de dívida de curto prazo, emissões de obrigações e Sociedades de Investimento Mobiliário para o Fomento da Economia (SIMFE).

O presidente da  AEP, Paulo Nunes de Almeida, e o administrador da Interbolsa, Rui de Matos, darão as notas de boas-vindas aos oradores e assistentes.

Paulo Câmara, ‘partner’ da Sérvulo & Associados, irá fazer uma apresentação sobre o quadro legal dos Certificados de Dívida de Curto Prazo e das Sociedades de Fomento Empresarial, enquanto José Veiga Sarmento, presidente da APFIPP – Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios, irá abordar o mercado de capitais em Portugal e a perspetiva dos investidores institucionais.

O financiamento, liquidez, transparência e segurança dos Certificados de Dívida de Curto Prazo e das Emissões de Obrigações serão debatidos por Filipa Franco, ‘head of listings’ da Euronext Lisbon, e por Rui de Matos, administrador da Interbolsa.

Alberto Amaral, presidente da Flexdeal, vai apresentar a primeira SIMFE (Sociedade de Investimento Mobiliário para o Fomento da Economia) registada em Portugal.

Rui Pinto, membro do conselho de administração da CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, terá a seu cargo as notas de encerramento deste seminário.

Ler mais

Recomendadas

Bankinter Portugal deu mil milhões de moratórias e constituiu 2,5 milhões de provisões

A sucursal do Bankinter em Portugal deu 1.000 milhões de moratórias de crédito, o que representa 15% da sua carteira. Já em provisões para acautelar o impacto da pandemia Covid-19 o Bankinter Portugal deixou de lado 2,5 milhões de euros.

Trump viu rendimentos da venda de imóveis caírem a pique em 2020

O presidente que abandonou esta quarta-feira a Casa Branca acabou por ser penalizado com a pandemia, que desvalorizou o seu património e complicou a venda de propriedades, como a sua empresa havia feito nos três anos anteriores.

María Dolores Dancausa diz que Bankinter não vai entrar em fusões

Em Portugal também não está previsto o Bankinter fazer mais aquisições. A presidente do banco espanhol garantiu que “estamos centrados no crescimento orgânico e rentável”.
Comentários