Onze fuzileiros morreram no Afeganistão. “BBC” fala em pelo menos 60 mortos

O secretário-geral da ONU, António Guterres já condenou o ataque através da sua página oficial no Twitter, afirmando que está a acompanhar “com grande preocupação a situação no aeroporto de Cabul e condeno veementemente o horrível ataque terrorista de hoje”.

Afeganistão

Duas fontes militares norte-americanas confirmaram esta quinta-feira à agência Associated Press (AP) que onze fuzileiros dos Estados Unidos (marines) e um médico da Marinha foram mortos no ataque desta tarde em Cabul.

A fonte não acrescentou mais pormenores, mas o número agora apontado é superior aos quatro fuzileiros norte-americanos que tinham sido anunciados durante a tarde pelo jornal “Washington Post”, citando uma comunicação do embaixador dos EUA no Afeganistão.

A “BBC”, por seu turno, cita fontes médicas para colocar o número de mortos em 60, a que se juntam pelo menos 140 feridos, mas não especifica quantos são norte-americanos e quantos são afegãos.

O secretário-geral da ONU, António Guterres já condenou o ataque através da sua página oficial no Twitter, afirmando que está a acompanhar “com grande preocupação a situação no aeroporto de Cabul e condeno veementemente o horrível ataque terrorista de hoje”.

“O incidente sublinha a volatilidade do Afeganistão, mas também fortalece a nossa determinação enquanto continuamos a prestar assistência urgente ao povo afegão”, concluiu Guterres.

Recomendadas

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.

PremiumJosé Maria Neves tenta vitória nas presidenciais de Cabo Verde sem precisar de segunda volta

As eleições presidenciais em Cabo Verde realizam-se no próximo domingo, 17 de outubro, e sem contar com Jorge Carlos Fonseca, que termina o segundo e último mandato como Presidente da República. Num período de mudança, portanto, as sondagens indicam invariavelmente a vitória de José Maria Neves (primeiro-ministro de 2001 a 2016) com uma margem confortável sobre Carlos Veiga (primeiro-ministro de 1991 a 2001).

ONG acusa G20 de “estar a dormir” sobre a dívida pública

“O G20 está a dormir relativamente à questão da crise da dívida, que se intensifica nos países de baixo rendimento”, disse o diretor de Políticas da ONG dedicada à sustentabilidade da dívida pública.
Comentários