Afinal, ligação aérea entre Luanda e Ilha do Sal só deverá começar em 2019

O acordo assinado entre a TAAG Linhas Aéreas de Angola e a Cabo Verde Airlines estabelece as condições para o relançamento da ligação aérea regular entre Cabo Verde e Angola.

A ligação aérea entre Luanda e a Ilha do Sal afinal só deverá começar no primeiro trimestre de 2019, ao contrário do que tinha sido inicialmente anunciado pelo governo angolano.

Quem confirmou a nova data foi o presidente da Comissão Executiva da TAAG Linhas Aéreas de Angola, Rui Carreira, apôs a assinatura do memorando de entendimento com a Cabo Verde Airlines, no final da visita de 24 horas do ministro dos Transportes de Angola, Ricardo Viegas D’ Abreu, a Cabo Verde, terminada na sexta-feira.

O acordo assinado entre a transportadora aérea angolana e a Cabo Verde Airlines estabelece as condições para o relançamento da ligação aérea regular entre Cabo Verde e Angola. Prevê ainda que seja aproveitada o hub na Ilha do Sal para assegurar a conectividade para outros destinos além Cabo Verde, como Europa, Estados Unidos, Brasil (nordeste) e Senegal, e também para outros destinos entre os quais Brazzaville, Kinshasa, Lusaka, Harare, Maputo, Johannesburg, Cape Town, Windhoek ou São Tomé, bem como para voos domésticos em Angola.

Se o ministro que tutela os transportes de Angola, Ricardo Viegas D’ Abreu, falava no início da ligação entre Luanda e Sal ainda antes do final deste ano, o presidente da comissão executiva da TAAG entende que a operacionalização dos voos não deverá acontecer antes do primeiro trimestre de 2019. “Para nós o melhor momento será o primeiro trimestre de 2019, partindo do princípio que o trabalho de casa comece a ser feito a partir de agora, disse Rui Carreira.

Os representantes das duas companhias defendem que, ao contrário do que acontecia antes com a ligação entre as duas capitais (Luanda e Praia), a partir de agora a aposta será em voos com rentabilidade comerciais, aproveitando as potencialidades do mercado aérea existentes entre os dois países.

Segundo o presidente do conselho de administração da Cabo Verde Airlines, José Luís Sá Nogueira, vai ser montado equipas entre as partes para materializar o que esta firmado no acordo que “não se trata de materializar um desejo de natureza politica, mas sustentado na base de negocio”.

Quanto ao número de ligações, o presidente da comissão executiva da TAAG entende que “ do ponto de vista comercial menos de três frequências semanais não serão atrativos para os passageiros e nem para a companhia.” Para Rui Carreira, tendo em conta a concorrência que existe, será preciso ainda fazer estudos de mercados antes de começar a serem operacionalizados os voos.

A materialização dos voos entre os dois países será concluídas com a celebração de um Acordo de Partilha de Códigos (Code-Share), que, segundo o porta-voz da TAAG, poderá ser feita em várias modalidades, ou com aparelhos da Cabo Verde Airlines ou da TAAG, dependendo da disponibilidade das duas companhias.

O fim da visita do ministro dos Transportes de Angola a Cabo Verde ficou ainda marcado pela assinatura de mais um acordo no setor da aviação aérea entre Agência de Aeronáutica Civil de Cabo Verde (AAC) e o Instituto Nacional de Aviação Civil de Angola (INAVIC) e um terceiro entre os Ministérios do Turismo e Transportes dos dois países.

Ler mais
Recomendadas

União Europeia financia segurança documental em Cabo Verde e Guiné-Bissau

O acordo facilita registos civis, emissão de documentos de viagem, passaportes e documentos de identificação entre os cidadãos dos dois países.

Acordo de modalidade da CPLP só será finalizado em novembro

“A comissão técnica deve apresentar o texto final aos ministros dos Negócios Estrangeiros, na sessão extraordinária do Conselho de Ministros da CPLP, previsto para janeiro de 2020, em Cabo Verde”, disse Luís Filipe Tavares.

Centro de Língua Portuguesa Camões inaugurado amanhã em Mindelo

O centro de língua portuguesa localizado em Cabo Verde integra uma rede de mais de 70, presentes em 43 países, e é financiado pelo Instituto Camões.
Comentários