Agência Europeia do Medicamento inicia avaliação da vacina russa

Esta vacina contra a Covid-19 foi desenvolvido pelo Gamaleya, o Centro Nacional de Epidemiologia e Microbiologia da Rússia.

Karoly Arvai/Reuters

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) anunciou hoje que arrancou com a avaliação da vacina russa, a Sputnik V (Gam-COVID-Vac).

“A EMA iniciou a revisão da Sputnik V”, disse a agência esta quinta-feira, 4 de março.

Esta vacina foi desenvolvido pelo Gamaleya, o Centro Nacional de Epidemiologia e Microbiologia da Rússia.

Mas por a vacina ser desenvolvida por um país externo à União Europeia, a aplicação foi submetida pela empresa R-Pharm Germany GmbH, sediada na Alemanha.

Na União Europeia, a Hungria já avançou para a compra da vacina, de forma unilateral do bloco comunitário.

A decisão de iniciar a avaliação baseia-se nos resultados de “estudos laboratoriais e estudos clínicos em adultos. Estes estudos indicam que a Sputnik desencadeia a produção de anticorpos e células imunitárias que atacam o SARS-CoV-2 coronavírus e que podem ajudar a proteger contra a Covid-19”.

A Agência Europeia do Medicamente diz que vai “avaliar os dados à medida que ficam disponíveis para decidir se os benefícios compensam os riscos. A revisão rolante vai continuar até estar disponível evidência suficiente para a candidatura à autorização de venda”.

A EMA garante que vai analisar se a Sputnik V cumpre com os critérios da União Europeia para “eficácia, segurança e qualidade. Apesar de a EMA não conseguir prever o calendário, não deverá demorar mais do que o normal para avaliar uma eventual aplicação devido ao trabalho feito durante a avaliação”.

A agência diz que vai comunicar quando a candidatura à vacina tiver sido submetida.

A 18 de fevereiro, a Comissão Europeia considerou que Vladimir Putin deve explicar porque é que está se está a oferecer para vender milhões de doses da sua vacina a países europeus, numa altura em que a maioria da sua população não foi vacinada.

“Devo dizer que nos questionamos porque é que a Rússia está a oferecer teoricamente milhões e milhões de doses enquanto não está a progredir suficientemente na vacinação dos seus cidadãos”, disse a presidente da Comissão Europeia na quarta-feira, 17 de fevereiro. “Esta é uma pergunta que deve ser respondida”, afirmou, citada pelo Politico.

A Hungria foi o primeiro país membro da União Europeia a aprovar a vacina russa Sputnik V. Budapeste já comprou dois milhões de doses para vacinar um milhão de pessoas e a vacinação com a Sputnik arrancou a 12 de fevereiro.

Ursula von der Leyen avisou que, para ver a sua vacina aprovada, a Rússia teria de permitir inspeções nos seus locais de produção e submeter todos os dados disponíveis sobre a Sputnik V para serem avaliados para as autoridades europeias.

Bruxelas pergunta a Putin porque razão quer vender a sua vacina para o estrangeiro antes de vacinar todos os russos

Ler mais

Relacionadas

Covid-19: Rússia espera iniciar esta semana processo para regulador europeu autorizar Sputnik V

O Fundo de Investimento Direto da Rússia (FIDR) espera começar esta semana o processo de autorização junto do regulador europeu da vacina russa contra a covid-19, Sputnik V, anunciou hoje o seu diretor, Kirill Dmitriev.

Bruxelas pergunta a Putin porque razão quer vender a sua vacina para o estrangeiro antes de vacinar todos os russos

A Rússia surge na 59ª posição dos países que mais vacinam os seus cidadãos, abaixo da 43ª posição ocupada pela União Europeia. A Hungria já aprovou o uso da vacina russa e mais países da UE poderão dar luz verde à Sputnik V, mas Bruxelas não vê com bons olhos a diplomacia sanitária de Moscovo, pois a vacina ainda não foi submetida à autorização pela Agência Europeia do Medicamento.

Hungria começa hoje vacinação com vacina russa Sputnik V

A Hungria torna-se esta sexta-feira o primeiro país da União Europeia a aplicar na sua população a vacina russa contra o novo coronavírus, a Sputnik V, anunciou a diretora geral da Saúde do país.
Recomendadas

Lay-off e apoio à retoma custaram 502 milhões de euros aos cofres do Estado no primeiro trimestre

A despesa em apoios Covid da Segurança Social disparou no primeiro trimestre de 2021 para 804 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, segundo dados das Finanças. A despesa das medidas de apoios aos custos de trabalho “representa 51% da execução de todo o ano de 2020”.

Tribunal Constitucional alemão rejeita providência cautelar e bazuca europeia pode avançar

O tribunal chumbou a providência cautelar contra a lei dos recursos próprios da União Europeia que tinha sido apresentado pelo grupo “Bündnis Bürgerwille”, em nome de 2.200 cidadãos.

IGCP volta hoje ao mercado com dois leilões entre 1.000 e 1.250 milhões de euros

A entidade já tem previsto mais dois leilões, um no dia 19 de maio, para entre 1.500 milhões de euros e 1.750 milhões de euros e outro no dia 16 de junho, com um montante previsto entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros, de acordo com informação no ‘site’ do IGCP.
Comentários