Agostinho Miranda: “Acordar deste pesadelo vai ser lento e traumático”

O advogado, fundador da Miranda & Associados, alerta para a potencial subida na taxa de desemprego e da falência de PME.

O advogado Agostinho Pereira de Miranda considera que a situação de pandemia em que o mundo se encontra pode fazer com que se assista a uma subida exponencial da taxa de desemprego e à falência de muitas pequenas e médias empresas em Portugal.

“É uma ilusão pensar que podemos desligar a economia e voltar a ligá-la daqui a dois meses, retomando «os nossos hábitos», como referiu há dias Mário Centeno. O acordar deste pesadelo vai ser lento e traumático”, afirmou ao Jornal Económico (JE).

Para o fundador da sociedade Miranda & Associados, o Governo liderado por António Costa está fazer aquilo que é possível – que, ainda assim, é pouco, mesmo contando com as moratórias nos pagamentos dos créditos bancários. “O Estado espanhol, por exemplo, está a fazer mais, mas a sua dívida é consideravelmente menor do que a nossa”, refere.

Agostinho Pereira de Miranda elogia o novo programa de compra de ativos de 750 mil milhões de euros do Banco Central Europeu (BCE) para apoiar as entidades bancárias e empresas de maior dimensão, mas sugere à instituição liderada por Christine Lagarde que proponha um programa estatal de crédito universal a indivíduos, famílias e empresas.

“Por agora a crise poderá ainda resolver-se com dinheiro. Mas se a Europa não for mais solidária e ambiciosa, a emergência sanitária que estamos a viver poderá resvalar progressivamente para uma tragédia económica, social e até política”, argumenta o advogado, que receia que o BCE continue “a utilizar remédios velhos para doenças novas”. “Com algum azar, será mais do mesmo: privatizar lucros e socializar perdas. Os resgates de setores privilegiados da economia são profundamente divisionistas para a sociedade, como se viu com a banca na crise de 2008”, explica Agostinho Pereira de Miranda ao JE.

Relacionadas

PIB visto a afundar mais de 4%

Medidas de contenção da Covid-19 vão provocar recessão em Portugal. Impacto vai depender da duração da crise e da resposta das autoridades.
Recomendadas

Especialistas defendem que união fiscal é chave para a união política europeia

No Webinar “O futuro da União Europeia”, uma iniciativa da Antas da Cunha ECIJA, Ana Gomes defendeu que “as questões da fiscalidade têm de passar a ser assumidas como uma questão europeia. A questão de recursos próprios europeus que dependem de impostos europeus, que não sejam o IVA — temos 50 mil milhões de euros de receitas de IVA por ano a financiarem organizações mafiosas e terroristas”, é importante.

Futuro da Europa vai estar em debate na segunda-feira

Ana Gomes, Isabel Meireles, Pedro Madeira Froufe e Daniela Guimarães vão debater o futuro do projeto europeu, dado o atual momento de incerteza.

Direito dos consumidores a reembolsos por parte das transportadoras aéreas em tempos de pandemia

O objetivo da legislação europeia de permitir uma abordagem coordenada a nível da União acaba por ser posto em causa, quando cada Estado-membro, independentemente do disposto no Regulamento, tem uma abordagem de aplicação prática distinta e até contra legem.
Comentários