Agostinho Miranda: “Acordar deste pesadelo vai ser lento e traumático”

O advogado, fundador da Miranda & Associados, alerta para a potencial subida na taxa de desemprego e da falência de PME.

O advogado Agostinho Pereira de Miranda considera que a situação de pandemia em que o mundo se encontra pode fazer com que se assista a uma subida exponencial da taxa de desemprego e à falência de muitas pequenas e médias empresas em Portugal.

“É uma ilusão pensar que podemos desligar a economia e voltar a ligá-la daqui a dois meses, retomando «os nossos hábitos», como referiu há dias Mário Centeno. O acordar deste pesadelo vai ser lento e traumático”, afirmou ao Jornal Económico (JE).

Para o fundador da sociedade Miranda & Associados, o Governo liderado por António Costa está fazer aquilo que é possível – que, ainda assim, é pouco, mesmo contando com as moratórias nos pagamentos dos créditos bancários. “O Estado espanhol, por exemplo, está a fazer mais, mas a sua dívida é consideravelmente menor do que a nossa”, refere.

Agostinho Pereira de Miranda elogia o novo programa de compra de ativos de 750 mil milhões de euros do Banco Central Europeu (BCE) para apoiar as entidades bancárias e empresas de maior dimensão, mas sugere à instituição liderada por Christine Lagarde que proponha um programa estatal de crédito universal a indivíduos, famílias e empresas.

“Por agora a crise poderá ainda resolver-se com dinheiro. Mas se a Europa não for mais solidária e ambiciosa, a emergência sanitária que estamos a viver poderá resvalar progressivamente para uma tragédia económica, social e até política”, argumenta o advogado, que receia que o BCE continue “a utilizar remédios velhos para doenças novas”. “Com algum azar, será mais do mesmo: privatizar lucros e socializar perdas. Os resgates de setores privilegiados da economia são profundamente divisionistas para a sociedade, como se viu com a banca na crise de 2008”, explica Agostinho Pereira de Miranda ao JE.

Relacionadas

PIB visto a afundar mais de 4%

Medidas de contenção da Covid-19 vão provocar recessão em Portugal. Impacto vai depender da duração da crise e da resposta das autoridades.
Recomendadas

Lojas de roupa fechadas, malas e sapatos ficam nas prateleiras. Qual a solução para as empresas?

Joana Telles de Abreu e Rita Sarabando Pereira, advogadas da Telles, defendem um aumento do número de dias permitidos para saldos, além dos 124 dias legalmente permitidos, para auxiliar este tipo de lojas, que terão de fazer o escoamento de vestuário e acessórios.

Simulações: Saiba qual vai ser o seu salário líquido em regime de lay-off

Simulações feitas pela Deloitte indicam como é que fica o salário líquido dos trabalhadores durante o regime de lay-off.

PLMJ promove oito advogados

Cristiano Dias, João Maria Mota de Campos, Manuel Sequeira, Pedro Rosa e Sara Lemos de Meneses foram nomeados associados sénior nos escritórios em Portugal. Emmanuel da Silva e Elsa Tchicanha em Angola e Natércia Sitoe em Moçambique.
Comentários