AHRESP denuncia atrasos nos pagamentos do ‘Apoio à Retoma Progressiva’

“Com faturação quase inexistente, não podem existir atrasos desta natureza, que comprometem severamente a sobrevivência de milhares de negócios. É da máxima urgência que sejam otimizados os processos de análise dos requerimentos apresentados, acelerando os pagamentos às empresas”, escreve a associação em comunicado.

A Associação da hotelaria, restauração e similares de Portugal alertou para o atraso nos pagamentos do ‘Apoio à Retoma Progressiva’ que, segundo a associação, permanecem ainda por deferir, mantendo-se as empresas sem os respetivos pagamentos.

“Com faturação quase inexistente, não podem existir atrasos desta natureza, que comprometem severamente a sobrevivência de milhares de negócios. É da máxima urgência que sejam otimizados os processos de análise dos requerimentos apresentados, acelerando os pagamentos às empresas”, escreve a associação em comunicado.

Adicionalmente, a AHRESP defende que “os vários apoios concedidos pelo Governo no âmbito da pandemia Covid-19 devem ser aplicados a todas as empresas, independentemente da respetiva dimensão. Para esse efeito, e como já tem vindo a ser aplicado em alguns mecanismos, devem também ser definidas dotações específicas para que as grandes empresas possam igualmente aceder aos apoios disponíveis”.

Recomendadas

Ex-autarca do Porto diz que volumetria do projeto do El Corte Inglés é “absurda”

No mês passado, o Bloco de Esquerda denunciou que a Câmara do Porto “abdicou de 31 mil m2 para espaços verdes no projeto do Corte Inglês na Boavista, por considerar não serem necessários devido à proximidade da Rotunda da Boavista”. Para Nuno Cardoso, “tem uma densidade absolutamente desmesurada”.

PremiumPortugal é um mercado “importante” para a chinesa Oppo

A fabricante de smartphones quer crescer na Europa e vai investir 6 mil milhões em ‘R&D’ em três anos. Em Portugal, “reforçar a presença” deve passar por acordos com operadores e retalhistas.

PremiumEDP Renováveis vai construir centrais eólicas marítimas na Grécia

EDPR forjou parceria com companhia helénica para instalar 1,5 gigawatts nos mares gregos. Esta é a segunda parceria fechada em cinco meses na Grécia.
Comentários