Albânia e Macedónia do Norte devem continuar fora da UE até 2020

A abertura das negociações com os dois países candidatos a integrar o projeto europeu foi bloqueada por três Estados-membros da UE, apesar das recomendações da Comissão Europeia para que o alargamento da UE fosse colocado na agenda.

A Albânia e a Macedónia do Norte devem continuar fora da União Europeia (UE), pelo menos, até maio de 2020. A abertura das negociações com os dois países candidatos a integrar o projeto europeu foi bloqueada por três Estados-membros da UE, apesar das recomendações da Comissão Europeia para que o alargamento da UE fosse colocado na agenda.

Na cimeira da UE, que decorreu esta sexta-feira, em Bruxelas, França, Holanda e Dinamarca juntaram-se para impedir a discussão do alargamento da UE, antes de ser reformado o projeto europeu. Os líderes europeus comprometeram-se, no entanto, em chegar a um consenso sobre a integração da Albânia e da Macedónia do Norte na UE até à cimeira de Zagreb, na Croácia, em maio de 2020.

O bloqueio às negociações foi lamentado pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk. “Hoje [Sexta-feira] gostaria de enviar uma mensagem aos nossos amigos da Macedónia do Norte e da Albânia: por favor, não desistam! Compreendo perfeitamente a vossa frustração, porque fizeram a vossa parte e nós não”, afirmou Donald Tusk.

Também o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, considerou “um erro” o adiamento da discussão. “Este é um erro monumental, de proporções históricas! Espero que seja algo passageiro e que não se enraíze na nossa memória coletiva como um erro histórico”, afirmou Jean-Claude Juncker.

A Albânia e a Macedónia do Norte são dois dos cinco países candidatos a integrar a UE. A Albânia apresentou o pedido formal de adesão à UE em 2009 e recebeu oficialmente o estatuto de candidato em 2014. Já a Macedónia do Norte pediu para aderir em 2004 e é, oficialmente, candidato a integrar a UE desde 2005. Na lista constam ainda a Turquia, Montenegro e Sérvia.

Em abril de 2018, a Comissão Europeia emitiu uma recomendação incondicional para abrir as negociações de adesão com a Albânia e Macedónia. “À luz do tempo limitado disponível e da importância do assunto, o Conselho voltará à questão com o objetivo de tomar uma decisão clara e substantiva o mais rápido possível e o mais tardar em outubro de 2019”, lia-se no documento.

“Aquilo que estamos a decidir não é se no dia de hoje a Albânia ou a Macedónia do Norte preenchem as condições para amanhã entrarem na UE. O que estamos a discutir é se, de acordo com os critérios que estão definidos e avaliação que foi feita pela comissão, há condições para iniciar as negociações do processo de adesão”, afirmou o primeiro-ministro, António Costa, à saída da cimeira da UE.

Ler mais
Recomendadas

Estados Unidos deixam de considerar ilegais colonatos israelitas na Cisjordânia

Bairros não são por si inconsistentes com o direito internacional, diz Pompeo – no que contrasta com parte do resto do mundo. A hipótese de dois Estados fica mais longe.

Londres destrói um milhão de moedas comemorativas do Brexit

As moedas cunhadas para marcar o divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, que estava agendado para 31 de outubro, estão a ser derretidas porque Boris Johnson falhou o prazo. O custo da produção e destruição das moedas será suportado pelos contribuintes britânicos.

“Incorreto e inapropriado”. Assessor da Casa Branca critica telefonema de Trump ao homólogo ucraniano

Alexander Vindman, especialista sobre a Ucrânia do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, disse hoje que ficou “preocupado” enquanto tirava notas do telefonema entre Donald Trump e Zelensky, em 25 de julho – a chamada que está no centro do inquérito para a destituição do Presidente dos EUA, em que Trump é acusado de ter tentando pressionar o homólogo ucraniano a investigar Joe Biden, rival político do líder norte-americano.
Comentários