Alegre vs Santos Silva: Acordo Ortográfico gera ‘guerra’ entre socialistas

“O ministro dos Negócios Estrangeiros diz que rejeita a revisão do acordo ortográfico. E eu rejeito essa forma de rejeição”, defendeu Manuel Alegre.

Manuel Alegre criticou, esta quarta-feira, a posição do ministro dos Negócios Estrangeiro, Augusto Santos Silva, em recusar a revisão sobre o Acordo Ortográfico, noticia o Público.

“O ministro dos Negócios Estrangeiros diz que rejeita a revisão do acordo ortográfico. E eu rejeito essa forma de rejeição, porque a considero autoritária, arrogante, dogmática e deselegante para com a Academia das Ciências”, disse o histórico socialista ao Público.

O poeta e escritor acusou Santos Silva de “desprezo por todos aqueles que se têm oposto desde o princípio a este acordo” e considerou que o acordo “está a fragmentar a língua e a dividir os portugueses”.

“O Governo devia rever a sua posição, devia pelo menos dialogar e não tomar uma atitude tão autoritária e tão dogmática quanto aquela que foi tomada pelo ministro”, apelou Manuel Alegre, citado pelo Público.

A ausência de contatos com a Academia de as Ciências foi também destacado por Alegre. “A Academia, que é, de acordo com a lei, conselheira do governo em matéria da língua, não foi ouvida nem achada no que diz respeito ao acordo. E limitou-se a apresentar, agora, um conjunto de sugestões indicativas para que se começasse a debater este assunto e para tentar melhorar, se possível, um acordo que nasceu mal, um acordo falhado”, argumentou.

 

Ler mais
Recomendadas

PremiumAutorizações legislativas concentradas na pandemia

Aprovação do Orçamento do Estado para 2021 volta a dar ao Governo o poder de fazer decretos-lei, sobretudo para garantir resposta à crise causada pela Covid-19. Destacam-se as medidas excecionais para as autarquias e de valorização do interior.

Personalidades JE: Aníbal Cavaco Silva – Dez anos Presidente depois de uma década de Cavaquismo

Foi pela mão de Sá Carneiro que Cavaco Silva entrou na vida política “e foi nele que procurei inspiração no exercício das funções de Primeiro-Ministro”, como referiu na apresentação do seu último livro. Deixa para a história uma obra mais marcante nos dez anos em que liderou o Governo, nos quais viabilizou em Portugal investimentos tão relevantes como a Autoeuropa, a barragem do Alqueva ou a revitalização urbanística da Expo98. Depois do “Cavaquismo” foi Presidente da República durante outros 10 anos.

PremiumMarcelo deve juntar-se aos oito pré-candidatos a partir de dia 9

Presidente da República adia a sua decisão para depois das renovações do estado de emergência. Marcelo Rebelo de Sousa é já o imcumbente que mais tempo demorou a anunciar a recandidatura.
Comentários