Alemanha desbloqueia discussões sobre garantia de depósitos europeia

Eurogrupo agradado com proposta do ministro Olaf Scholz. Negociações políticas devem começar no próximo mês, indicou Mário Centeno.

A reunião do Eurogrupo desta quinta-feira ficou marcada pela discussão de propostas de aprofundamento da união bancária na zona euro e criação de um sistema de seguros de depósitos comum na região da moeda única. O ministro das Finanças alemão apresentou uma proposta cujos traços gerais foram bem recebidos pelos restantes ministros. O objetivo é começar as negociações políticas no próximo mês.

“Todos nós saudámos a contribuição do ministro das finanças quanto ao EDIS. Espero que nos ajude a chegar a acordo sobre um roteiro para iniciar negociações políticas em dezembro”, disse o presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, no final do encontro.

A proposta de Olaf Scholz consiste num sistema de seguros complementar às garantias de depósitos nacionais, que protegem as poupanças até 100 mil euros ao abrigo da legislação comunitária. O sistema de seguros europeu seria ativado uma vez esgotados os instrumentos nacionais.

Os ministros das Finanças consideram que completar a união bancária, incluindo um seguro de depósitos, tornará a zona euro mais resistente a possíveis choques no sistema financeiro, como os que ocorreram durante a crise do euro, em que a percepção de risco de alguns países, como Portugal ou Grécia, contagiou os respectivos sistemas financeiros.

“Ainda é uma discussão difícil e precisaremos avançar passo a passo, mas isso não é diferente do que fazemos na Europa noutros casos”, disse Mário Centeno, que garantiu haver agora “um novo clima na sala”.

O comissário europeu dos Assuntos Económicos e Financeiros, que participou na reunião do Eurogrupo, mostrou também agrado. “É um bom avanço. Podemos estar mais otimistas do que nunca, depois desta reunião”, afirmou Pierre Moscovici.

Também o diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade Financeira, Klaus Regling, mostrou contentamento com o desfecho da reunião. “Se tivesssemos uma garantia de depósitos há dez anos todos os programas de assistência teriam sido menores”, argumentou.

Recomendadas

Relatório final da Comissão de Inquérito ao Novo Banco aprovado com votos contra do PS e abstenção do CDS

O relatório final da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução foi aprovado com os votos contra do PS e com a abstenção do CDS.

Relatório final da CPI ao Novo Banco com votos contra do PS e sem relator que renunciou

O PS vota contra o relatório final da CPI ao Novo Banco devido às conclusões sobre a venda de 2017 que foram introduzidas na votação da especialidade. Mais de 100 propostas de alteração foram aprovadas. Fernando Anastácio renunciou às condições de relator.

Perdas do Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução. Veja a discussão e votação do relatório final da CPI

A Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução procede hoje à discussão e votação do relatório final. Veja em direto.
Comentários