Alemanha está a preparar-se para a queda da Europa, segundo cronista do Guardian

A divulgação de um documento secreto do governo alemão com cenários possíveis de conflitos que afetem a Europa é, de acordo com Paul Mason, um sinal da escalada de tensão no sistema global.

“Os alemães estão a fazer planos de contingência para o colapso da Europa. Esperemos que nós também estejamos a fazer”. É este o título do artigo de opinião assinado por Paul Mason no jornal britânico The Guardian. Com base num documento secreto do governo alemão, divulgado pelo Der Spiegel na semana passada, o cronista analisa o pior dos cenários para o bloco dentro de pouco mais de duas décadas.

O documento de 120 páginas intitulado Perspetiva Estratégica 2040, assinado pelo ministro da Defesa da Alemanha, aponta que a entrada de países da União Europeia (UE) parou e que há Estados a abandonar o bloco (referindo-se ao Brexit). Nota ainda que o ambiente global está mais propenso a conflitos e a menor segurança.

“Os cenários que desenha são assustadoramente realistas: um conflito ente Oriente e Ocidente, no qual alguns dos Estados da UE se juntariam ao lado da Rússia ou a uma Europa ‘multipolar’, em que alguns Estados adotariam o modelo económico e político da Rússia à revelia do Tratado de Lisboa”, explicou o cronista de economia e justiça do Guardian sobre o documento.

Segundo Mason, a simples existência do documento reflete a escalada de tensão no sistema global. No entanto, o autor acredita que não há razões para dramatizar já que a tradição militar alemã é de um rigoroso planeamento logístico para qualquer eventualidade.

“Apesar do título alarmista que gerou, o documento divulgado é, se tanto, demasiado otimista”, escreveu. “Em três dos seis cenários, corre tudo tão bem que a Europa parece-se com a era de Biedermeier – 1815-1848 – de prosperidade doméstica e aborrecimento militar”.

Mason salientou ainda que a hipótese dos cenários negativos, nos quais os EUA têm dificuldades em evitar o isolacionismo e a China entra numa guerra cultural com o Ocidente, foi definida antes de Donald Trump ter chegado à Casa Branca e de Xi Jinping ter iniciado uma nova estratégia de infraestruturas no país.

Ler mais

Recomendadas

Euro segue acima de 1,21 dólares em máximo de dois meses  

O euro subiu esta sexta-feira para máximos de dois meses face ao dólar, após terem sido divulgados dados fracos do emprego nos Estados Unidos, que devem afastar a possibilidade de uma redução em breve dos estímulos monetários.

ISEG estima que economia portuguesa cresça até 4,5% em 2021

Os economistas desta facultade de economia anteveem, numa primeira análise, que o crescimento homólogo do PIB português no segundo trimestre se deverá situar entre os 10% a 15%.

Falta de mão de obra limitou crescimento do emprego nos Estados Unidos em abril

As empresas do sector não agrícola contrataram só 266 mil empregados, depois dos 770 mil verificados no mês de março. A taxa de desemprego subiu para os 6,1% em abril, mais 0,1 pontos percentuais do que o registado no mês anterior.
Comentários