Alemanha está a preparar-se para a queda da Europa, segundo cronista do Guardian

A divulgação de um documento secreto do governo alemão com cenários possíveis de conflitos que afetem a Europa é, de acordo com Paul Mason, um sinal da escalada de tensão no sistema global.

Ler mais

“Os alemães estão a fazer planos de contingência para o colapso da Europa. Esperemos que nós também estejamos a fazer”. É este o título do artigo de opinião assinado por Paul Mason no jornal britânico The Guardian. Com base num documento secreto do governo alemão, divulgado pelo Der Spiegel na semana passada, o cronista analisa o pior dos cenários para o bloco dentro de pouco mais de duas décadas.

O documento de 120 páginas intitulado Perspetiva Estratégica 2040, assinado pelo ministro da Defesa da Alemanha, aponta que a entrada de países da União Europeia (UE) parou e que há Estados a abandonar o bloco (referindo-se ao Brexit). Nota ainda que o ambiente global está mais propenso a conflitos e a menor segurança.

“Os cenários que desenha são assustadoramente realistas: um conflito ente Oriente e Ocidente, no qual alguns dos Estados da UE se juntariam ao lado da Rússia ou a uma Europa ‘multipolar’, em que alguns Estados adotariam o modelo económico e político da Rússia à revelia do Tratado de Lisboa”, explicou o cronista de economia e justiça do Guardian sobre o documento.

Segundo Mason, a simples existência do documento reflete a escalada de tensão no sistema global. No entanto, o autor acredita que não há razões para dramatizar já que a tradição militar alemã é de um rigoroso planeamento logístico para qualquer eventualidade.

“Apesar do título alarmista que gerou, o documento divulgado é, se tanto, demasiado otimista”, escreveu. “Em três dos seis cenários, corre tudo tão bem que a Europa parece-se com a era de Biedermeier – 1815-1848 – de prosperidade doméstica e aborrecimento militar”.

Mason salientou ainda que a hipótese dos cenários negativos, nos quais os EUA têm dificuldades em evitar o isolacionismo e a China entra numa guerra cultural com o Ocidente, foi definida antes de Donald Trump ter chegado à Casa Branca e de Xi Jinping ter iniciado uma nova estratégia de infraestruturas no país.

Recomendadas
Governo de Espanha pondera penalizar os proprietários de apartamentos vazios
No âmbito de uma reforma da Lei de Arrendamentos Urbanos, o Governo liderado por Pedro Sánchez pretende também aumentar a duração dos contratos de arrendamento e colocar no mercado mais de 20 mil imóveis de carácter social.
UTAO: dívida pública fixou-se em 125,8% do PIB no 2º trimestre
Dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, atingiu 246,7 milhões de euros, o que corresponde a 125,8% do Produto Interno Bruto (PIB), contra 131,7% no final de junho de 2017.
Facebook está a contratar diretor para departamento de direitos humanos
Facebook tem uma vaga para o cargo de Director of Human Rights Policy.
Comentários