Alemanha: Número de trabalhadores temporários cai para 6,7 milhões

O número de trabalhadores temporários em maio, na Alemanha. ascendia aos 7,3 milhões.

Alemanha

O trabalho de curta duração recuou em junho de 22% para 20%, correspondendo à diminuição do número de trabalhadores a temporários (a termo certo) para 6,7 milhões, face aos 7,3 milhões registados em maio, de acordo com dados do instituto de investigação económica alemão (Ifo), divulgados esta terça-feira, 30 de junho.

“O declínio é bastante hesitante e, em alguns setores, o trabalho de curta duração está a aumentar”, afirma o especialista do Ifo em mercado laboral Sebastian Link, citado em comunicado.

Assim, os dados disponibilizados indicam que o número de trabalhadores temporários aumentou na indústria, nomeadamente, de 2,2 milhões em maio, para 2,3 milhões em junho. Já na área das atividades administrativas e serviços, o número cresceu de 660 mil trabalhadores para 672 mil trabalhadores temporários, em junho.

Por oposição, o número de trabalhadores no setor do turismo caiu de 72%, para 672 mil trabalhadores temporários em junho, o que corresponde a “61% da força laboral total”. Nos transportes e armazenamento, o número caiu de 423 mil,  para 308.000 trabalhadores.

Já o número de trabalhadores temporários no comércio também “caiu acentuadamente”, de 1,3 milhão para 963 mil. No retalho, o número diminuiu de 683 mil trabalhadores para 417 mil.

Recomendadas

Mar 2020 com 421,7 milhões de euros de despesa pública comprometidos até junho

O programa, que se insere no Portugal 2020, apresenta uma taxa de compromisso de 83,4% e 41% de execução, segundo o ministro Ricardo Serrão Santos.

Revisão do Orçamento dos Açores aprovada na Assembleia Regional

Na apresentação da revisão do orçamento, o vice-presidente do Governo Regional avançou que a proposta prevê um aumento de 210,4 milhões de euros da despesa orçamental e uma redução de 74,6 milhões da receita.

António Costa e Giuseppe Conte avisam que degradação das previsões económicas impõem acordo europeu já

Os primeiros-ministros de Portugal e de Itália alegaram esta terça-feira que o agravamento das previsões negativas da economia feitas pela Comissão Europeia impõe um acordo entre os 27 Estados-membros já na próxima reunião do Conselho Europeu.
Comentários