PremiumAlívio do IRS é única promessa feita por todos

Todos os partidos defendem menos IRS para rendimentos médios e baixos. Noutros impostos há reduções para todos os gostos e más notícias paraos mais ricos. Mas esquerda e direita chegam a ter propostas semelhantes.

As eleições legislativas de 6 de outubro estão envoltas em incerteza quanto à configuração parlamentar que vai resultar da votação e aos acordos necessários para formar Governo, mas há algo que os eleitores podem ter como garantido: independentemente do vencedor, a maioria dos trabalhadores e pensionistas em Portugal irá sentir uma redução dos impostos a pagar, com o alívio do IRS.

O Jornal Económico inicia esta semana uma análise à vertente económica dos programas eleitorais. E, no capítulo dos impostos, a redução da carga fiscal sobre quem tem rendimentos médios ou baixos consegue uma pouco usual convergência de todo o espectro parlamentar. Se o partido – ou o conjunto de partidos – que formar Governo assumir em pleno as propostas eleitorais, o imposto vai baixar para a maioria das famílias em Portugal.

O PS, que está à frente das sondagens, promete “continuar a aumentar a progressividade do IRS” e que as medidas a adotar “deverão ser dirigidas ao alívio do esforço fiscal da classe média”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Governo aprova hoje o Programa de Estabilização. Apoio ao lay-off será em função da diminuição da faturação

Depois de ouvir os partidos políticos e os parceiros sociais, o primeiro-ministro, António Costa, adiantou que o Governo teria intenção de aprovar esta semana o documento e os titulares de algumas pastas já deram pistas sobre o que aí vem. Alterações ao regime de lay-off simplificado e das moratórias e medidas para apoio ao investimento deverão estar entre as medidas.
antónio_costa_silva_partex_4

António Costa Silva defende “pacto entre Estado e empresas”

António Costa Silva, gestor nomeado pelo primeiro-ministro para coordenar os trabalhos preparatórios do plano de relançamento da economia, defende, em entrevista à Lusa, um “pacto entre Estado e empresas” e um “equilíbrio virtuoso” com os mercados.

‘Reload’. Lagarde deverá recarregar hoje a ‘bazuca’ com arsenal de meio bilião de euros

O BCE tem estado a disparar as balas sem cerimónia e já gastou mais de 30% do ‘envelope’ de 750 mil milhões de euros no programa de emergência. A expetativa é que anuncie hoje um aumento para 1,25 biliões e um prolongar do programa até daqui a um ano, de forma a evitar especulação nos mercados. As novas projeções económicas também estarão sob foco.
Comentários