Alojamento local: preço e localização mandam na decisão do cliente português

Esta é a segunda edição do estudo, apresentado pela HomeAway, e revela que 1,98 milhões de viajantes portugueses elegeram o alojamento local em 2019, uma estimativa resultante de valores do Instituto Nacional de Estatística.

Cristina Bernardo

A localização e o preço são os principais critérios de seleção de um alojamento local por parte de um cliente português, concluiu o barómetro nacional sobre o perfil do viajante nacional que opta por este segmento turístico.

Este estudo, apresentado hoje, dia 29 de janeiro, pela HomeAway, revela que 1,98 milhões de viajantes portugueses elegeram o alojamento local em 2019, uma estimativa resultante de valores do Instituto Nacional de Estatística.

Para este universo, “a localização, o preço e o meio envolvente são os fatores que mais influenciam a escolha do alojamento local para férias”, sendo “os principais utilizadores de alojamento local são as famílias, casais e grupos de amigos”. O estudo indica ainda que “89,1% dos inquiridos afirmaram a intenção de fazer a recomendação a um familiar ou amigo”.

A HomeAway é uma plataforma especialista em alojamentos para férias, que elaborou este barómetro em colaboração com o Centro de Investigação em Comunicação Aplicada e Novas Tecnologias (CICANT) e o Departamento de Turismo da Universidade Lusófona.

Esta segunda edição do Barómetro do Alojamento Local (BAL), tem como objetivo traçar o perfil do viajante português que privilegia e escolhe um alojamento local (AL) para férias.

“Entre as principais conclusões do barómetro, apurou-se que mais de 1,98 milhões de viajantes, residentes em Portugal, terão ficado hospedados pelo menos uma vez num alojamento local, sendo que a maioria dos inquiridos (84,9%) utilizou esta opção de estadia entre uma e quatro vezes, durante o período de análise do estudo”, esclarece um comunicado da HomeAway.

De acordo com este estudo, “os principais utilizadores da modalidade de alojamento local são as famílias com 42,1%, em seguida casais (39,5%) e grupos de amigos (17,5%)”.

“Neste contexto, verifica-se ainda que grande maioria das estadias (94%) têm uma duração até sete noites e o número médio de turistas presentes no alojamento é de 3,7 pessoas. Importa referir que o apartamento foi o tipo de alojamento preferido pelos viajantes (51,6%), seguido da moradia (27,1%)”, adianta o referido comunicado.

Quanto às motivações de escolha e satisfação, a segunda edição do barómetro procurou também caracterizar o processo de escolha, atendendo aos critérios que estiveram na base da escolha pelo AL em detrimento de outras opções.

“Numa escala de 0 a 5, e no que respeita à escolha do alojamento, os critérios mais relevantes para a escolha foram a ‘boa localização’ (com uma média – M – de 4,26), o ‘preço’ (M = 4,20) e ‘envolvente ou áreas circundantes da habitação’ (M = 3,98). Estes valores repetem a tendência obtida nos resultados do BAL 2018”, assinala o comunicado da HomeAway.

No que respeita à satisfação com o alojamento local selecionado, “é, obviamente, uma das principais bases para a utilização futura deste tipo de serviço e para o crescimento do mercado”.

“No momento de avaliar o grau de satisfação, os critérios que encontram melhores resultados são o “descanso” (4,43), a limpeza (4,33) e a localização (4,30), o que pressupõe uma evolução na preocupação com a qualidade do AL. Esta tendência é indicadora de uma aproximação entre AL e hotéis no que concerne à importância dada aos critérios que definem a escolha de uma unidade de alojamento”, defende o referido comunicado.

O estudo em causa apurou ainda que, numa escala de 0 a 5, a média global de resposta é 4,29, “o que demonstra a satisfação global crescente com o Alojamento Local”.

“Por outro lado, apenas 1,9% dos participantes classifica a sua satisfação geral como negativa, o que representa um decréscimo em relação aos 2,3% obtidos no BAL 2018 e confirma a experiência positiva no AL”, realçam os responsáveis da HomeAway.

O mesmo documento acrescenta que, “considerando a importância das recomendações, o estudo realizado pela Universidade Lusófona para a HomeAway fez também o levantamento da quantidade de portugueses que recomendaria a sua experiência a outros interessados”.

“As conclusões não deixam dúvidas: 89,1% dos inquiridos afirmaram a intenção de fazer a recomendação a um familiar ou amigo. No que se refere ao ‘feedback’, mais de metade dos respondentes indicou ter deixado um comentário positivo após a sua estadia em AL. Pelo contrário, apenas 1,5% deixou um comentário negativo”, conclui a nota da HomeAway.

A recolha de dados para elaborar esta barómetro ocorreu durante os meses de agosto e setembro de 2019, tendo o universo deste estudo sido os indivíduos residentes em Portugal, de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos de idade, que ficaram num alojamento local, em território nacional, pelo menos uma vez, durante o período de agosto de 2018 a setembro
de 2019.

No total, foram inquiridas mil pessoas.

A HomeAwayTM, com sede em Austin (Texas), é uma plataforma especialista em alojamentos para férias ‘online’, através de uma rede de portais que representam mais de dois milhões de alojamentos únicos, que pertence ao Grupo Expedia.

O portefólio da HomeAway agrupa diferentes marcas especialistas no alojamento para férias como HomeAway.com e VRBO.com nos Estados Unidos da América ; HomeAway.co.uk no Reino Unido; FeWo-direkt.de na Alemanha; Abritel.fr e Homelidays.com em França; HomeAway.es em Espanha ; AlugueTemporada.com.br no Brasil; HomeAway.com.au na Austrália; Bookabach.co.nz na Nova Zelândia.

Ler mais
Recomendadas

Huawei já tem 91 contratos para fornecer tecnologia 5G pelo mundo

Apesar da pressão dos EUA sobre países aliados para excluírem a empresa chinesa da expansão das suas redes, 47 dos contratos assinados até agora foram feitos na Europa, 27 na Ásia e os restantes 17 em países não especificados.

Antonoaldo Neves: Quem vai pagar os prejuízos da TAP com a suspensão de 90 dias nos voos para a Venezuela?

A suspensão da TAP nos seus voos para a Venezuela representam prejuízos de pelo menos 10 milhões de euros, referiu o presidente executivo da TAP no final da conferência de imprensa de apresentação dos resultados de 2019.

Efacec assegura que “reúne todas as condições” para pagar salários e a fornecedores

Empresa afasta qualquer cenário de incumprimento, após Isabel dos Santos, que detém perto de 70% da Efacec, ter alertado hoje em comunicado de que o congelamento de contas das suas empresas se estende ao bloqueio de ordens de pagamento de salários, impostos a fornecedores e à Segurança Social.
Comentários