Altice Portugal envia carta ao Governo sobre acesso às condutas e postes da Meo

A Altice enviou uma carta ao Governo sobre o que classifica de “ataque sem precedentes” à propriedade privada por parte da Anacom no acesso às condutas e postes da Meo pelos outros operadores, disse à Lusa fonte da empresa.

Presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca | Foto cedida

Em causa está o sentido provável de decisão (SPD) da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) sobre o acesso às condutas e postes da Meo pelos outros operadores, no qual o regulador introduz alterações às instalações de ‘drop’ de cliente, ou seja, a instalação do troço final da rede até à casa do cliente, entre as quais esta não implica o envio à Meo de qualquer notificação prévia ou posterior, nem o pagamento de qualquer compensação.

“Vai mais além do que figuras como a requisição, expropriação ou a nacionalização que, apesar de consistirem em restrições severas ao direito de propriedade, só são admitidas em casos justificados e sempre dependentes da atribuição da justa ou correspondente indemnização”, adiantou à Lusa a mesma fonte.

Além disso, a Altice Portugal salientou que o regulador “pretende, num cenário em que as condições de segurança dos postes da Meo se vão degradar, fruto do modelo de acesso livre e gratuito, obrigar a Meo a repor as condições de segurança dos seus postes, a pedido dos operadores, num prazo inexequível, sob pena de pagamento de uma penalidade por se atrasar a conservar a sua infraestrutura, na qual também tem a sua rede instalada”.

Um dos exemplos dados é o caso de um operador que aceda a um poste da Meo para instalar um cabo de ‘drop’ de cliente sem avisar a operadora da Meo e que durante a sua instalação danifique o poste. Para a Altice, “é praticamente impossível” detetar este tipo de situações e a origem do dano.

Acresce que depois de o poste sofrer danos, o operador notifica a Meo para repor as condições de segurança do mesmo e esta é obrigada a fazê-lo no prazo de cinco dias úteis, sob pena de lhe ser aplicada uma penalização, sem que o responsável pelo dano seja obrigado a pagar qualquer valor que suporte, ainda que parcialmente, a reparação que pediu, refere a empresa.

Para a Altice Portugal, a “desproporcionalidade” do SPD “é ainda agravada pela forma como a Anacom pretende deliberar sobre os prazos de cumprimento e valor das penalidades, discriminando negativamente a Meo face aos restantes operadores”.

Segundo a empresa, a Meo incorre numa penalização de 50 euros por cada dia de atraso, até ao máximo de 60 dias (três mil euros), enquanto os operadores, se não cumprirem o prazo definido nas ofertas para o envio de cadastros, incorrem numa penalidade que, no máximo, atinge 325 euros.

Na carta enviada ao Governo, a Altice Portugal refere que não deixará de recorrer aos mecanismos legais para defender os seus direitos e interesses.

No início de agosto, num encontro com jornalistas, o presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, tinha avançado que a empresa iria contestar este projeto de decisão em todas as instâncias, desde tribunais nacionais como também Bruxelas.

A Meo conta com cerca de 11 milhões de postes.

Ler mais
Relacionadas

“Sapo Prime traz conveniência no acesso a conteúdos digitais ‘premium'”, diz Alexandre Fonseca

O Jornal Económico faz parte do lote restrito de fontes de informação que os utilizadores poderão aceder através do novo serviço de compra de artigos ‘premium’ avulso, ou seja, artigo a artigo. A Altice sublinha que o serviço pode ser utilizado através de métodos de pagamento simples – como a fatura MEO ou MBWay – e sem qualquer tipo de fidelização.

5G: Dense Air espera que Anacom antes do Natal anuncie “reconfigurar o espetro”

Questionado sobre o atraso no desenvolvimento do 5G em Portugal, o CEO da Dense Air, Paul Senior, admitiu que o plano para o ‘roll-out’ do 5G “foi adiado em setembro”.

Antigo ministro e deputado do CDS é o novo secretário-geral da Apritel

Pedro Mota Soares vai liderar a associação que reúne as principais empresas de telecomunicações em Portugal: Nos, Vodafone e Altice.

Alterações da rede TDT: Altice Portugal impugna decisão da Anacom e reitera que calendário “será impossível de cumprir”

Para a Altice Portugal, continuam a existir considerações que suscitam “muita preocupação e demonstram um grande desnorte”, sobre tudo no que diz respeito à alteração das condições associadas ao Direito de Utilização de Frequências TDT. Empresa acusa Anacom de “amadorismo” e “irresponsabilidade”.
Recomendadas

Lucros da banca sobem 133% em 29 anos, já o crédito a clientes subiu 862%

Desde 1990, verificou-se um aumento de concentração do sistema bancário português. Ao longo do período para o qual existe informação comparável, Portugal apresenta um nível de concentração superior ao da área do euro, o que poderá ser explicado pelo facto dos países mais pequenos tenderem a ter níveis de concentração mais elevados, explica o BdP.

Moody’s atribui ‘rating’ B2 com ‘outlook’ estável à TAP e ao empréstimo obrigacionista

Depois da Standard & Poor’s, é a vez da Moody’s iniciar a análise de ‘rating’ da companhia aérea nacional.

Moody’s atribui à dívida da TAP quinto nível de “lixo”

A agência de notação financeira norte-americana atribuiu o ‘rating’ “B2” à emissão de obrigações anunciada ontem.
Comentários