Amazónia: PGR brasileira diz que crime organizado é responsável por desflorestação na região

A procuradora-geral da República brasileira (PGR), Raquel Dodge, afirmou na segunda-feira que o crime organizado é responsável pelo desflorestação da Floresta Amazónia, acrescentando que é preciso enfrentar a questão como um “fenómeno transnacional”.

Segundo informações apuradas pelo Ministério Público Federal do Brasil (MPF), há indícios de associação entre os grupos que abatem árvores e os compradores de madeira no estrangeiro, para onde segue grande parte do produto extraído ilegalmente no território brasileiro.

“As informações que temos é de uma associação estreita entre quem desmata e quem compra madeira. Entre quem desmata, e põe fogo na mata, e quem usa essa madeira no exterior. [A madeira] não é usada só no território brasileiro. Aliás, é poucas vezes usada no território nacional”, disse Dodge, em Brasília, citada no ‘site’ do MPF.

As declarações da PGR brasileira foram proferidas na abertura de uma reunião de trabalho entre procuradores do Ministério Público e representantes da Unidade de Cooperação Jurídica da União Europeia (Eurojust).

Dodge reforçou a necessidade da implementação de ações de cooperação entre o Ministério Público brasileiro e autoridades estrangeiras.

“Adentrar a floresta, desfloresta-la numa primeira fase com uso de mão de obra escrava, carregar aquelas toras, encaminhá-las pelo rio até chegar ao porto, transportá-las de navio até o exterior é obra de uma organização e de um engendramento que não é fruto de coautoria, de uma ação ocasional não planeada”, frisou a PGR.

O combate à corrupção e ao branqueamento de capitais com instrumentos que impeçam a “transferência do património público brasileiro” para o exterior, foram outros dos pontos que Raquel Dodge defendeu como parte de uma cooperação entre o Brasil e a Europa.

“Os outros países têm sido um santuário do desvio do dinheiro do património público brasileiro. Se não houver cooperação para que os países europeus não sejam o destino desse dinheiro desviado do nosso património público, essa corrupção continuará a ser praticada”, reforçou a procuradora-geral da República, na capital do país sul-americano.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais brasileiro (Inpe), órgão público que mede a desflorestação no país, nos seis primeiros meses do ano houve um crescimento de 212% nas áreas desflorestadas da Amazónia face ao mesmo período de 2018.

Porém, os valores registados em julho vieram mostrar um aumento muito superior, com a desflorestação da Amazónia a aumentar 278% nesse mês, em relação ao período homólogo de 2018.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta. Tem cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).

Ler mais
Relacionadas

Amazónia: União Europeia aciona mecanismo de proteção civil para auxiliar Bolívia

O mecanismo de proteção civil da União Europeia foi ativado para ajudar a Bolívia a combater os incêndios florestais na região de Chiquitania, no seguimento de um pedido de assistência de La Paz, anunciou hoje a Comissão Europeia.

Bolsonaro terá sido denunciado ao Tribunal Penal Internacional por ecocídio

Um grupo de juristas brasileiros terá avançado com uma ação contra Jair Bolsonaro que será apresentada em Haia, Holanda. Os advogados argumentam que Bolsonaro cometeu crime contra a humanidade com o seu discurso e políticas ambientais que permitem o avanço da desflorestação na Amazónia.

Bolsonaro só aceita cheque de milhões do G7 para salvar a Amazónia se Macron retirar o que disse

“Ele vai ter que retirar essas palavras e daí a gente pode conversar”. Foi o aviso deixado pelo presidente brasileiro questionado sobre o porquê de recusar a ajuda do G7, aumentando a escala de tensões entre os dois países.

Trump diz que riqueza dos EUA não deve ser posta em risco por “sonhos e aerogeradores”

“Eu fiz mais declarações de impacto ambiental do que qualquer um que tenha sido presidente. E acho que sei mais sobre o meio ambiente do que a maioria das pessoas”, garantiu Trump aos jornalistas presentes no G7.

Brasil quer autonomia para gerir doações à Amazónia

O porta-voz do Palácio do Planalto, Otávio Rêgo Barros, afirmou que, caso o governo federal aceite doações de organismos internacionais e de outros países, a gestão dos recursos e da ajuda material deverá ser feita pelo próprio governo brasileiro.
Recomendadas

Universidade de Coimbra quer tornar viável a produção de “caviar português” em aquacultura

Tornar viável a produção de ouriços-do-mar em aquacultura, de forma rentável e com reduzido impacto ambiental, é o objetivo de uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra, que está a desenvolver um modelo integrado de cultivo em cativeiro da espécie mais abundante em Portugal.

Restrições na área de Lisboa poderão ser levantadas “muito brevemente”, diz António Costa

O primeiro-ministro revelou esta quarta-feira que as restrições impostas na Área Metropolitana de Lisboa devido à pandemia de covid-19 poderão ser levantadas “muito brevemente”, uma vez que os focos de contágio identificados são “situações muito contidas”.

Restrições ao trânsito automóvel na Baixa de Lisboa adiadas

As restrições à circulação automóvel na Zona de Emissões Reduzidas (ZER) da Baixa de Lisboa, inicialmente previstas para este verão, vão ser adiadas, anunciou esta quarta-feira o presidente da câmara.
Comentários