Amílcar Morais Pires: “Hei-de voltar a trabalhar, logo que se volte a repor a verdade”

“Hei-de voltar a trabalhar, logo que estes recursos funcionem e que se volte a repor a verdade nestes dossiers”, disse Amílcar Morais Pires, à saída do Tribunal da Supervisão e Concorrência de Santarém.

Ler mais

O ex-administrador financeiro do Banco Espírito Santo (BES) Amílcar Morais Pires afirmou esta segunda-feira que equaciona voltar a trabalhar, assim que estiverem encerrados os processos judiciais em que se encontra envolvido.

“Hei-de voltar a trabalhar, logo que estes recursos funcionem e que se volte a repor a verdade nestes dossiers”, disse Amílcar Morais Pires, à saída do Tribunal da Supervisão e Concorrência de Santarém, que confirmou a condenação no processo que lhe foi movido pelo Banco de Portugal, obrigando-o ao pagamento de 350 mil euros e inibindo-o de exercer cargos na banca durante um ano.

O valor da coima definido pelo tribunal representa uma redução em relação aos 600 mil euros que eram pedidos pelo Banco de Portugal.

Questionado sobre a redução da pena, Morais Pires diz que houve progresso, mas insuficiente. “Eu queria era a absolvição”, disse aos jornalistas, á saída do tribunal. “Houve progresso. Razoável, mas não suficiente”, acrescentou.

Na decisão proferida esta segunda-feira, 30 de abril, e que a juíza Anabela Campos leu apenas a parte dispositiva, pedindo dispensa da leitura das 1.150 páginas da sentença, foi considerada “globalmente demonstrada” a matéria de facto enunciada na decisão do Banco de Portugal.

“Tem-se feito muita calúnia, muita mentira à volta dos processos, nomeadamente sobre a minha conduta”, afirmou Amílcar Morais Pires.

“Penso que, gradualmente, se vai repor essa verdade e então reequacionarei o regresso a trabalhar”, disse.

“Vamos aguardar. A luta continua”, concluiu.

Relacionadas

BES: Ricardo Salgado multado em 3,7 milhões de euros

Em causa no processo estão as contraordenações aplicadas pelo Banco de Portugal, em agosto de 2016, nomeadamente por comercialização de títulos de dívida da Espírito Santo Internacional junto de clientes do BES.

Ministério Público acredita que há 13 culpados pela queda do BES

Os visados ainda podem contestar a decisão. Entre os culpados estão Ricardo Salgado e cinco elementos da família Espírito Santo.
Recomendadas

Ministro da Economia pela primeira vez no Modtissimo

Manuel Caldeira Cabral vai estar no mais antigo certame ibérico do setor, que este ano espera mais de 400 compradores internacionais.

Autoestradas nacionais: uma rede a funcionar ao contrário

Um estudo da Associação Comercial do Porto afirma que a rede é ineficiente, cara e não serve os propósitos da sua criação. O Governo parece estar de acordo.

Nuno Amado: “Taxas de juro do crédito no último ano demonstram que a concorrência foi normalizada em Portugal”

Em entrevista ao jornal “Público” o agora presidente não executivo do BCP fala das mudanças no banco e também da exposição que os bancos portugueses tiveram no mercado internacional.
Comentários