Ana Catarina Mendes pede “amplo consenso político” para a recuperação económica

Ana Catarina Mendes também pediu “o mais amplo consenso político” quanto ao “plano de recuperação económica e social de Portugal para 2020 – 2030”, que segundo a socialista “não tem o horizonte de uma legislatura, tem o horizonte de uma década”.

A deputada do PS Ana Catarina Mendes destacou a importância do Governo conseguir uma resposta para atual crise, motivada pela pandemia, que seja diferente “da que foi dada com a intervenção da troika”, durante o seu discurso na conferência nacional do PS, esta segunda-feira, 31 de agosto.

Para os socialistas, é importante “assegurar que esta crise tem e continuará a ter uma resposta diferente da que foi dada com a intervenção da troika tão acarinhada pela direita e que tão maus resultados teve na nossa economia e na nossa sociedade”, recordou Ana Catarina Mendes.

“É também indispensável enfatizar as medidas aprovadas de proteção ao emprego aos trabalhadores e aos rendimentos de maneira a assegurar os postos de trabalho e mitigar os efeitos da crise e há que olhar em frente ter um roteiro para o futuro como tem sido afirmado”, apontou a deputada socialista que considerou “fundamental sublinhar a importância dos apoios e incentivos à economia que já foram postos à disposição das empresas por parte do Estado”.

Ana Catarina Mendes também pediu “o mais amplo consenso político” quanto ao “plano de recuperação económica e social de Portugal para 2020 – 2030”, que segundo a socialista “não tem o horizonte de uma legislatura, tem o horizonte de uma década”.

“Ao governo compete criar as condições para os diferentes agentes económicos e sociais possam participar na definição da estratégia e que enquanto país vamos implementar nos próximos anos para recuperar a nossa situação económica e social”, referiu Ana Catarina Mendes. “Aos diferentes partidos políticos com representação parlamentar, cabe o contributo comprometendo-se com o futuro dos portugueses”, completou a deputada do PS.

A relevância de um consenso político já tinha sido apontada pelo primeiro-ministro, António Costa, a 29 de agosto, que assegurou ao jornal Expresso que “se não houver acordo, é simples: não há Orçamento e há uma crise política. Aí estaremos a discutir qual é a data em que o Presidente [da República] terá de fazer o inevitável”. Ao discutir o Orçamento de Estado, António Costa também garantiu que “quem não quer assumir responsabilidades deve dedicar-se a outra atividade”.

Relacionadas
antonio_costa_legislativas_altis_2

Governo em peso entre os oradores da “rentrée” do PS

António Costa, Marta Temido, Ana Mendes Godinho, Pedro Siza Vieira e Nelson de Souza vão debater com deputados e autarcas socialistas na conferência “Recuperar Portugal”, que decorre ao longo desta segunda-feira em Coimbra.

Plano de retoma económica desenhado por António Costa e Silva recebeu mais de 700 contributos

A notícia foi hoje avançada pelo jornal Eco. O documento, cujo esboço foi desenhado por António Costa e Silva, esteve em discussão pública até dia 21 de agosto e a versão final deverá ser apresentada pelo Governo em Bruxelas até ao final da primeira quinzena do mês de outubro, juntamente com o Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).
Recomendadas

PCP quer redução do preço do passe intermodal para 30 euros

Os comunistas fizeram as contas e Jerónimo de Sousa afirmou que os custos desta medida, “uma conquista de largo alcance”, calculados em 50 milhões de euros, “valem bem do ponto de vista social, económico e ambiental”.

Bloco de Esquerda quer auditoria às PPP das SCUT em São Miguel

“Deve ser do interesse de qualquer Governo que estes contratos sejam o mais transparentes possíveis para que assim seja melhor defendido o interesse público”, considerou o deputado do BE António Lima.

“Intrigas, confusão e mau entendimento”: Costa diz que está articulado com o Presidente (com áudio)

“Só pode haver um mal entendido. Por natureza, o primeiro-ministro não desautoriza o Presidente da República. Não é Costa e Marcelo. É institucional”, relembrou o primeiro-ministro esta terça-feira.
Comentários