Ana Rocha de Sousa arrebata quatro prémios em Veneza

A atriz e realizadora usou em ‘Listen’ um caso real: uma família portuguesa a quem, chegada a Londres, foram retirados os três filhos menores por parte da Segurança Social. Chegará aos cinemas portugueses no próximo ano.

O filme ‘Listen’, da realizadora portuguesa Ana Rocha de Sousa, foi distinguido com o prémio Bisato d’Oro de melhor realização, um dos galardões paralelos do Festival de Cinema de Veneza, em Itália, e foi recebido com uma verdadeira explosão de alegria por parte da galardoada.

O prémio foi atribuído por um júri de crítica independente e o filme venceu ainda a distinção ‘Sorriso Diverso Venezia’, pela sua abordagem às questões sociais. ’Listen’ é a primeira longa-metragem que aborda, a partir de factos reais, o drama de uma família portuguesa emigrada no Reino Unido a quem os serviços sociais lhe retiram os três filhos menores, por suspeita de maus tratos. Mas o filme não ficou por aqui: venceu ainda o prémio ‘Leão de Futuro’, para uma primeira obra, e o prémio especial do júri ‘Horizontes’.

A realizadora escolheu o tema depois de, vivendo em Londres, ter tomado conhecimento daquele caso particular. “Não é de todo um filme contra ninguém em específico, mas pretende levantar questões; se não haverá outras formas de salvaguardar o superior interesse estas crianças e destas famílias para lá da adoção. (…) A grande dificuldade do tema são algumas definições demasiado subjetivas em termos legais que tornam o sistema [social] muito falível”, contou, em entrevista à Lusa.

‘Listen’ tem coprodução luso-britânica, foi rodado nos arredores de Londres com elenco português e inglês, encabeçado por Lúcia Moniz, Ruben Garcia e Sophia Myles. Chegará aos cinemas portugueses em 2021.

“Nunca pensei. Para mim é indescritível. (…) Existem sempre momentos em que podemos estar sozinhos em casa a pensar ‘eu podia fazer tanta coisa, se calhar não vou conseguir’. O importante é não desistir, eu estive para desistir, mas não desistam, independentemente de quais forem as adversidades”, disse a realizadora à Lusa, a partir de Veneza.

Já o secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva, sublinhou que “é uma revelação absoluta mesmo para Portugal”. “É um prémio muito importante e sobretudo muito auspicioso, é um prémio de futuro e, para uma primeira obra, este sinal num importante festival é muito animador. É um prémio para ela e para a equipa, mas é também uma forma de reconhecimento do cinema português e numa situação de coprodução. É uma revelação absoluta mesmo para Portugal”, afirmou Nuno Artur Silva também à Lusa.

Questionado sobre a importância das coproduções no desenvolvimento do cinema português, o secretário de Estado afirmou que esse é um dos caminhos de internacionalização da produção nacional. “É um dos caminhos possíveis e para um país de pequena escala a coprodução não só é decisiva para a questão de financiamento, mas também para a questão de possibilidade de internacionalização”, disse.

‘Listen’ é a primeira longa-metragem da atriz e realizadora Ana Rocha de Sousa, de 41 anos. O filme tem coprodução luso-britânica, foi rodado nos arredores de Londres com elenco português e inglês, encabeçado por Lúcia Moniz, Ruben Garcia e Sophia Myles. Chegará aos cinemas portugueses em 2021.

Ler mais
Recomendadas

Trabalhadores não policiais do SEF estão hoje em greve

O presidente do sindicato explicou que não existe no SEF uma carreira para o pessoal não policial e são estes funcionários que estão “na primeira linha da imigração em Portugal”.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Covid-19: Bastonária dos farmacêuticos diz que Saúde falhou planeamento do inverno

A bastonária dos farmacêuticos defendeu hoje que o país, nomeadamente a área da Saúde, falhou a preparação do período de outono-inverno e criticou a “comunicação bastante irregular” que tem sido feita da pandemia, que não se combate com “normativos”.
Comentários