PremiumAndersen Global interessada em chegar à Madeira e Açores

A rede internacional de advogados e consultores, presente em Portugal desde 2017, integrou em janeiro a ‘boutique’ do Porto, Curado, Nogueira & Associados (CNA).

A rede jurídica Andersen Global está a estudar o alargamento da presença em Portugal através de uma presença nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores, provavelmente ainda este ano, disse ao Jornal Económico (JE) o managing partner e fundador nacional desta associação global de advogados e consultores financeiros – que pisca o olho à Zona Franca da Madeira (Centro Internacional de Negócios da Madeira).

“Estamos a pensar noutras localizações e, em termos de cidades em Portugal continental, não nos parece que se justifique, porque o nosso país é relativamente pequeno. Eventualmente, faz sentido as regiões autónomas face à presença internacional lá e até a alguns regimes legais específicos que existam e que possam fazer sentido para nós”, referiu José Mota Soares cerca de uma semana depois de ter anunciado a integração da sociedade Curado, Nogueira & Associados (CNA) como membro da rede internacional.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Ordem dos Advogados vai iniciar revisão dos estatutos

A entidade liderada por Luís Menezes Leitão deliberou ainda, em reunião do Conselho Geral esta sexta-feira, que irá averiguar eventuais situações de incompatibilidade de advogados nos conselhos superiores do Ministério Público.
antónio_costa_silva_partex_4

Sérvulo promove encontro com António Costa e Silva

A Sérvulo promove na próxima semana uma conferência online que conta com a participação de António Costa e Silva, o autor do documento que serve de base ao Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-2030. Assista ao evento no próximo dia 11 de março, na JE TV. Os leitores do Jornal Económico poderão enviar questões para colocar aos oradores.

“Direito de desconexão poderá ser um mecanismo interessante”, defende coordenador da área laboral da PLMJ

As refeições e o trabalho são feitos no mesmo espaço físico, mas é necessário existir uma separação e equilíbrio entre a vida pessoal e profissional para evitar um burnout. A advogada Carmo Sousa Machado defende que no futuro se vão verificar “consequências inevitáveis” do teletrabalho.
Comentários