André Ventura alvo de insultos e ameaças

Em duas ações de pré-campanha, André Ventura, candidato do PSD à Câmara de Loures, foi insultado e ameaçado. A polícia “monitorizou” a situação, mas diz que não “oferecerá proteção especial” ao candidato.

Cristina Bernardo
Ler mais

André Ventura, conhecido do grande público por causa das suas polémicas declarações acerca da alegada subsídiodependência das pessoas de etnia cigana e candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, foi insultado e ameaçado durante duas ações de pré-campanha em Camarate e em Moscavide, adianta a Sábado.

Os factos, que não originaram qualquer queixa junto das autoridades, ocorreram no passado dia 24 de agosto e foram monitorizados pelas autoridades, segundo declara àquela revista o comandante da Divisão da PSP de Loures, Jorge Resende da Silva, que adianta ainda que as forças policiais estarão “atentas” e avaliarão as necessidades de intervenção “em função de eventuais riscos”.

Face aos acontecimentos, Bruno Amaral, diretor de campanha de André Ventura, afirmou àquela publicação que daqui para a frente os cuidados serão redobrados, havendo especial atenção durante visitas aos locais do município onde se verificam maiores problemas sociais. “Teremos o cuidado de prevenir a polícia em zonas mais problemáticas”.

Já o comandante Resende da Silva indicou à revista que a PSP não oferecerá “proteção especial ao candidato André Ventura”. Não obstante, este comandante da PSP assegura que todas as situações serão avaliadas “em função de eventuais riscos. (…) Tentaremos sempre que as pessoas não sejam alvos de ameaças nem de agressões”, afirma à Sábado.

Os primeiros insultos surgiram à porta das instalações do clube Águias de Camarate, pelas 15h00. Nessa altura, um cidadão terá avisado a comitiva do social-democrata de que haveria “confusão” caso ventura se deslocasse àquele local. Estas declarações fizeram com que fosse contactada a PSP. Segundo Bruno Amaral, “à saída, um senhor, do outro lado da estrada, insultou o André (…) vimos que havia mais do que uma pessoa”, declara à Sábado, sem garantir “se estavam preparados para alguma coisa”, isto é, para qualquer ato de violência.

Mais tarde, pelas 19h15, André Ventura e a sua comitiva estiveram em Moscavide, onde, junto a uma esplanada, ouviram mais insultos e ameaças: “lampião”, “ladrão” e “otário”, foram algumas das expressões proferidas.

Relacionadas

André Ventura: “Repudio veementemente o apoio da extrema-direita”

Para o candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, a segurança é uma prioridade política. “Loures não pode ficar uma espécie de Texas da área metropolitana de Lisboa,“ alerta. Também promete criar 10 mil novos empregos e arrancar todos os parquímetros do concelho.

André Ventura acusa Cristas de “demagogia”

Assunção Cristas considera a ocupação ilegal de um terreno por cidadãos romenos como “o mais triste exemplo” de Lisboa. Ventura diz que foi acusado de xenofobia e racismo por denunciar situações semelhantes em Loures.

André Ventura desafia adversários a ceder carros e motoristas à população

Candidato do PSD a Loures considera “ultrajante que autarcas ou assessores, num concelho com os problemas de transportes como Loures, se desloquem em viaturas da câmara, com motorista.
Recomendadas

Ministério Público suspendeu operações bancárias no valor de 200 milhões este ano

O diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), Amadeu Guerra, num balanço do projeto ETHOS, revelou que “o valor das suspensões de operações bancárias em inquérito foi, já este ano, de cerca de 200 milhões de euros”, valor muito superior aos 16 milhões arrecadados no ano passado.

Polémica. Concurso para publicidade exterior gera ‘guerra’ entre MOP e autarquia de Lisboa

A Multimedia Outdoors Portugal apresentou junto do Tribunal Administrativo o documento para impedir a adjudicação, pela Câmara Municipal de Lisboa, de uma proposta que é ilegal e menos vantajosa no concurso para a concessão da publicidade exterior.

Joana Marques Vidal: “Há um vasto caminho a percorrer no combate à corrupção”

A Procuradora-Geral da República falou à margem de uma conferência sobre a corrupção e preferiu não comentar a escolha de Lucília Gago, como sua substituta no cargo.
Comentários