André Ventura confirma encontro com Marine Le Pen a 8 de outubro

Data da reunião com a ex-candidata presidencial francesa foi combinada num encontro com o eurodeputado Thierry Mariani, durante uma deslocação a Bruxelas que serviu para formalizar a adesão do Chega à Identidade e Democracia (ID), família política mais à direita no Parlamento Europeu.

André Ventura com eurdeputado francês Thierry Mariani

O presidente do Chega, André Ventura, confirmou nesta quinta-feira a data do encontro com a líder da Reunião Nacional, Marine Le Pen, ficando marcado para 8 de outubro, em Paris, a reunião com a ex-candidata presidencial que deverá voltar a enfrentar Emmanuel Macron nas urnas em 2022. Os detalhes foram combinados com o eurodeputado francês Thierry Mariani, ex- secretário de Estado dos Transportes e dissidente dos republicanos, no âmbito de uma deslocação a Bruxelas para formalizar a adesão do partido português à Identidade e Democracia (ID), que é a família política mais à direita no Parlamento Europeu.

Além de Marine Le Pen, Ventura está a ultimar o agendamento de um encontro com Matteo Salvini, o ex-vice-primeiro-ministro italiano que neste momento lidera a oposição ao governo de Giuseppe Conte e as sondagens eleitorais no seu país. O deputado do Chega está a negociar um encontro na terceira semana de outubro, a realizar-se em Roma.

Na agenda dos encontros com os líderes da Reunião Nacional e da Liga, dois partidos que em conjunto detêm 52 dos 76 eurodeputados do ID, estarão o apoio à estratégia de crescimento do Chega em Portugal mas também, como Ventura anunciou ao Jornal Económico, uma tentativa de “sensibilizar os parceiros europeus para se afastarem de tudo o que seja extrema-direita”, concentrando-se “numa luta contra o sistema isolado”. Algo que pode revelar-se difícil, pois tanto Marine Le Pen como Matteo Salvini têm entre as prioridades políticas maiores restrições à entrada de imigrantes nos respetivos países.

Nos encontros que ocorrerão em Paris e em Roma, André Ventura já deverá ter o mandato de deputado suspenso, como anunciou que fará para se concentrar nas presidenciais de janeiro de 2021, nas quais é até agora o único candidato assumido que procura evitar a reeleição de Marcelo Rebelo de Sousa, dada como garantida – e logo à primeira volta – por todas as sondagens realizadas até agora. O Chega deverá ser representado temporariamente na Assembleia da República por Diogo Pacheco de Amorim, número 2 da lista do partido pelo círculo de Lisboa, e que esteve ligado no período revolucionário à organização anticomunista Movimento Democrático para a Libertação de Portugal (MDLP), e mais tarde ao CDS e à Nova Democracia.

A deslocação do presidente do Chega a Bruxelas serviu para outro encontro, com o vice-presidente do ID, o também francês Nicolas Bay, em que André Ventura pediu para ser o representante oficial da família política na Convenção do Partido Republicano, que decorre em Charlotte, no estado norte-americano da Carolina do Norte, entre 24 e 27 de agosto, culminando com a designação de Donald Trump como candidato à reeleição a 3 de novembro.

Recomendadas

25 Abril: Desfile vai voltar à Avenida da Liberdade com regras devido à pandemia

“Quando foi tomada a decisão, só houve uma associação que se manifestou, dizendo que por eles, porque são essencialmente já de idade avançada, não iriam participar no desfile, ainda que apoiem todas as outras iniciativas que se façam”, continuou o responsável referindo-se à Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados (APRE).

Moedas diz que suspeita em torno da Câmara de Lisboa “corrói” a democracia

Carlos Moedas reforça ainda que “o sistema não deve funcionar de forma pouco transparente, com base em favores e amiguismos”, acrescentando que “estas dúvidas minam a confiança dos cidadãos e dificultam as mudanças necessárias de comportamento e cultura política”.

PAN lança ofensiva contra as carnes processadas nas escolas e na publicidade

Dois projetos de lei e um projeto de resolução apresentados nesta terça-feira pretendem limitar o acesso a produtos alimentícios como salsichas e enchidos, que ficariam proibidos nas escolas e com grandes limitações na publicidade televisiva e radiofónica.
Comentários