André Ventura responde que é o Chega que poderá “definir as condições de um eventual acordo com o CDS-PP”

Deputado do Chega reagiu à entrevista do presidente do CDS-PP, na qual este avançou a recusa do “populismo agressivo” e “discurso de ódio” como condição para alianças, dizendo que as palavras de Francisco Rodrigues dos Santos “só podem ser entendidas como um momento de humor” tendo em conta os resultados das sondagens.

Mário Cruz/Lusa

O deputado único do Chega, André Ventura, reagiu à entrevista de Francisco Rodrigues dos Santos à TSF, na qual o líder centrista admitiu coligações com todos os partidos à direita do PS desde que assentem em programas que reflitam valores democratas-cristãos e não insistam num “discurso de ódio” e num “populismo agressivo que semeia medo e fraturas sociais”, comentando que “neste momento é o Chega que poderá definir as condições de um eventual acordo e não o contrário”.

Em declarações ao Jornal Económico, o presidente do Chega referiu que “todas as sondagens demonstram que a força eleitoral maioritária à direita está, neste momento, no Chega e não no CDS”, considerando, por esse motivo, que as palavras de Rodrigues dos Santos “só podem ser entendidas como um momento de humor”.

Quanto à possibilidade, ainda assim, de entendimentos eleitorais com os centristas, o presidente do Chega deixou o aviso de que “se as linhas vermelhas do CDS-PP” forem “a prisão perpétua e a resolução do problema das comunidades ciganas, então não há mesmo margem para qualquer acordo”, apontando “zero por cento de chances nessas condições” e desejando ao ex-presidente da Juventude Popular “boa sorte a conseguir uma maioria com o PSD”.

Na entrevista à TSF, transmitida na manhã desta quarta-feira, Francisco Rodrigues dos Santos defendeu que o PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal e Chega devem ter a mesma capacidade de entendimento que o PS demonstrou com os partidos à sua esquerda, nomeadamente através da “geringonça” da anterior legislatura, desvalorizando o facto de todas as sondagens o colocarem atrás do partido fundado por André Ventura.

Tambem nessa entrevista, o líder centrista disse que é prematuro condenar eventuais atropelos à democracia do regime húngaro, do primeiro-ministro Viktor Orban, cujo partido Fidesz continua ligado ao Partido Popular Europeu, no qual se integram o PSD e o CDS-PP.

Recomendadas

Joe Biden recusa fazer teste cognitivo após Trump colocar em causa as suas capacidades mentais

Biden recusa a ideia de examinar o seu estado mental, comparando a sugestão a fazer um teste de drogas “é como dizer que, antes de entrar neste programa, teria de fazer um teste para saber se estou sob o efeito de cocaína”.

‘Furo’ à disciplina de voto na bancada do PSD só será analisado em setembro e deverá ficar sem sanção

O organismo que funciona como uma espécie de ‘tribunal’ do PSD considera que a deliberação das sanções a aplicar sobre os sete deputados que votaram contra o fim dos debates quinzenais “não é um tema urgente” e que só será discutido em setembro. Os deputados deverão, no entanto, ser ilibados, porque a direção não cumpriu o regulamento interno do grupo parlamentar.

DGS admite que podem vir a ser recomendados “ajustes” na realização da Festa do Avante

A Direção Geral da Saúde (DGS) tem uma equipa específica a analisar as medidas de prevenção e controlo propostas pela comissão organizadora da Festa do Avante e garante que o foco é a “minimização de risco” do evento, onde são esperadas as habituais 100 mil pessoas.
Comentários