Angela Merkel apela à luta contra antissemitismo no 75º aniversário da libertação de Auschwitz

A chanceler alemã, Angela Merkel, sustentou hoje, 75º aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz, que a Alemanha tem a responsabilidade de garantir que “todos se sintam seguros” no seu território, e apelou à luta contra o antissemitismo.

Reuters

“Temos a responsabilidade de que todos se sintam seguros em casa, na Alemanha e na Europa”, disse a líder alemã antes de um concerto, em Berlim, em memória dos seis milhões de judeus assassinados pelos nazis.

“Devemos combater ferozmente a intolerância e o ódio, o racismo e o antissemitismo”, acrescentou, numa altura em que a Alemanha, tal como outros países europeus, enfrentam um ressurgimento de movimentos xenófobos, sobretudo da extrema-direita.

“Temos de sensibilizar especialmente as gerações mais jovens”, afirmou ainda a chanceler antes do concerto no Staatsoper, ao qual vai assistir juntamente com o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki.

Mais de 200 sobreviventes do Holocausto reuniram-se hoje no local do antigo campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau, construído pela Alemanha nazi em território da Polónia, onde mais de 1,1 milhão de pessoas, na sua maioria judeus, morreram.

A chanceler fez a sua primeira visita a Auschwitz em dezembro último.

Recomendadas

Espanha abandona regras de disciplina orçamental em 2020 e 2021

O abandono temporário da disciplina orçamental diz respeito aos governos central, regional e municipal, que serão autorizados a endividar-se, até uma taxa determinada pelo Governo.

Biden garante que Trump “vai deixar o cargo” se perder a eleição

“O povo americano vai decidir quem é o próximo presidente e ponto final”, assegura o candidato democrata, Joe Biden sobre as eleições que vão decorrer a 3 de novembro.

Marcelo alerta contra o emagrecimento do multilateralismo

Nas conferências de Lisboa, uma organização do Clube de Lisboa, o Presidente da República afirmou que o papel da democracia é ser melhor que as propostas radicais, populistas e autoritárias e não o de as proibir, cortando-lhes a voz.
Comentários