Angela Merkel e Boris Johnson consideram prematuro regresso da Rússia ao G7

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disseram esta quarta-feira em Berlim ser prematuro considerar o regresso da Rússia ao G7, uma ideia avançada pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

Reuters

Merkel reconheceu alguns “movimentos ténues” na aplicação dos acordos de paz na Ucrânia Oriental”, numa conferência de imprensa com o seu homólogo britânico Boris Johnson.

“Se houvesse progressos com certeza que teríamos uma situação nova”, acrescentou Angela Merkel, referindo que “não foi possível avançar mais”.

Boris Johnson, que efetuou à Alemanha a sua primeira deslocação ao estrangeiro desde que assumiu a chefia do Governo britânico, no passado dia 26 de julho, concordou com as palavras da chanceler alemã.

“Penso da mesma maneira que a chanceler, que a situação que permitirá o regresso da Rússia ainda está por concretizar”, vincou.

O primeiro-ministro britânico destacou as “provocações” da Rússia não somente na Ucrânia, mas em múltiplas outras ocasiões, citando “o uso de armas químicas em solo britânico”, em Salisbury, quando um ex-agente duplo russo e a sua filha caíram em coma após terem entrado em contacto com o agente neurotóxico Novitchok, em março de 2018.

A Rússia negou sempre a sua implicação no caso.

O Presidente francês Emmanuel Macron, por seu lado, considerou também hoje, em Paris, ser “pertinente que a prazo a Rússia possa regressar ao G8”, de que foi excluída em 2014 na sequência da invasão da província ucraniana da Crimeia.

A questão será abordada na cimeira que o G7 realiza este fim de semana em Biarritz, sudoeste de França, em que participam os líderes dos membros: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido.

Ler mais
Relacionadas

António Guterres participa na cimeira do G7 e intervém sobre biodiversidade e oceanos

O secretário-geral das Nações Unidas vai participar na cimeira do G7, seguindo depois para uma conferência sobre o desenvolvimento africano, no Japão, e ficará três dias na República Democrática do Congo para mobilizar apoio contra a epidemia de Ébola.
Recomendadas

Senado norte-americano começa hoje apreciação do ‘impeachment’ de Trump

Tudo indica não só que Trump escapará sem ser demitido, como também que dificilmente será afetado pelas repercussões do processo quando chegarem as eleições de novembro.

Organização Mundial de Saúde reúne-se devido a surto de coronavírus na China que provocou três mortos

A Organização Mundial de Saúde (OMS) convocou para quarta-feira uma reunião de peritos para avaliar se o surto de coronavírus na China constitui uma emergência de saúde pública internacional, anunciou hoje a instituição em comunicado.

Surto de vírus desconhecido na China é transmissível entre humanos, alertam autoridades de saúde

A nova estirpe de coronavírus foi descoberta na cidade de Wuhan, no centro da China, que tem 11 milhões de habitantes. A Comissão Nacional de Saúde da China alertou para que haja maior precaução por parte dos habitantes já que se aproxima a celebração do Ano Novo chinês no final desta semana.
Comentários