Antártida. Descoberto buraco no gelo maior que a Irlanda

Tem mais de 77 mil km2 o buraco que os cientistas do SOCCOM descobriram na cobertura de gelo na Antártida. É maior descoberto desde 1970 e os cientistas desconhecem os efeitos a longo prazo.

Os cientistas do Observatório para o Clima e Carbono do Oceano Austral (SOCCOM na sigla original) descobriram na Antártida um buraco na cobertura de gelo do Oceano Antártico com mais de 77 mil km2, sendo um pouco maior que a Irlanda. Desde 1970, quando foi descoberta uma polínia (área de água aberta no meio do gelo fixo) que chegou aos 778 mil quilómetros quadrados, que não se assistia a este fenómeno.

Os cientistas desconhecem para já qual o impacto desta polínia no clima e no oceano antártico, nem conseguem precisar se este fenómeno deriva das alterações climáticas, afirma Kent Moore, professor de física da Universidade de Toronto, à National Geographic: “Não percebemos realmente quais são os efeitos a longo prazo desta polínia.” “É notável que esta polínia tenha desaparecido durante 40 anos e regressado”, acrescenta Moore, concluindo: “Durante o inverno, durante mais de um mês, tivemos esta área em mar aberto”.

Estes fenómenos – polínias – ocorrem porque a água profunda do oceano antártico é mais quente e salgada que a da superfície. Quando as correntes trazem a água mais quente para perto da superfície, esta derrete as camadas de gelo, criando um ciclo que dificulta a formação de novas camadas de gelo nas polínias: quando a água quente entra em contacto com a atmosfera fria, arrefece e desce. Uma vez no fundo do mar volta a aquecer e, consequentemente, a subir.

Relacionadas
Seis mil milhões de euros de compromissos para gerir melhor os oceanos
Segundo apurou o Jornal Económico, a própria Comissão Europeia aproveitou esta conferência para anunciar mais de 620 milhões de euros de investimento em iniciativas financiadas pela UE, destinadas a fazer face aos desafios globais dos oceanos.
Bruxelas dá 222 milhões de euros para investimentos a favor do ambiente
A Comissão Europeia aprovou um pacote de investimento financiado pelo orçamento da UE para apoiar a transição da Europa para um futuro mais sustentável e com baixas emissões de carbono, ao abrigo do programa LIFE para o ambiente e a ação climática. Este pacote mobilizará investimentos adicionais, num total de 379 milhões de euros em 139 projetos novos.
Jose, Irma e Katia: Porque é que este trio surpreende tudo e todos? (até os cientistas)
Os cientistas nunca viram nada assim. Pela primeira vez na história moderna, três furacões no Atlântico estão alinhados das formas mais perigosas, de acordo com Eric Blake, especialista em furacões do National Hurricane Center. O que é que se passa?
Portugal recebe hoje conferência internacional sobre nova economia do mar
A abertura oficial do evento, que se irá realizar no auditório da Fundação Champalimaud, estará a cargo da ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.
Recomendadas
Bruxelas investiga BMW, Daimler e grupo VW por suspeitas de cartel
O cartel “pode ter negado aos consumidores a oportunidade de comprar carros menos poluentes, apesar de a tecnologia estar disponível para os fabricantes”, segundo a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager.
Respostas Rápidas: O que sabemos sobre as tempestades que estão a fazer tremer o mundo?
Helene, Joyce, Florence e Mangkhut: as quatro tempestades que estão a fazer tremer o mundo. Eis o que precisa de saber sobre elas.
Doze concelhos em risco máximo de incêndio
Em risco de incêndio estão os concelhos de Gavião (Portalegre), Mação (Santarém), Proença-a-Nova, Vila Velha do Ródão (Castelo Branco), Pinhel, Figueira de Castelo Rodrigo, Meda, Trancoso (Guarda), Freixo de Espada à Cinta (Bragança), Penedono, Sernancelhe, Tarouca (Viseu).
Comentários