António Costa convoca reunião do núcleo duro do Governo

Núcleo duro do Governo prepara resposta à aprovação na Assembleia da República da recuperação integral do tempo de serviço dos professores.

O primeiro-ministro António Costa convocou para a manhã desta sexta-feira uma reunião extraordinária de coordenação política do Governo, reagindo à “coligação negativa” que levou à aprovação na Assembleia da República da reposição integral dos nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço dos professores.

Na reunião deste “núcleo duro” estarão presentes, além de António Costa, o ministro das Finanças, Mário Centeno, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, e o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, bem como o líder parlamentar e presidente do PS, Carlos César, e a secretária-geral-adjunta Ana Catarina Mendes.

Poucas horas depois da votação na Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, Carlos César criticou a “irresponsabilidade” dos grupos parlamentares que aprovaram a reposição integral do tempo de serviço, deixando entender que o Governo recorrerá ao Tribunal Constitucional se o Presidente da República não o fizer.

Relacionadas

Contagem integral do tempo de serviço dos professores foi aprovada

A deputada do Bloco de Esquerda, Joana Mortágua, anunciou no Facebook o resultado da votação: “‪Foi aprovada a recuperação integral do tempo de serviço dos professores. Ainda falta votar o modo, mas já foi reconhecido o direito, já há justiça‬”.
Recomendadas

“Silêncio de hoje tornará inoportunas críticas de amanhã”. PS lamenta falta de ideias da direita para fundos europeus

O secretário-geral adjunto do Partido Socialista (PS), José Luís Carneiro, lamenta que, até ao momento, os partidos da direita não tenham apresentado qualquer ideia e desafia-os a apresentarem propostas até ao final de agosto.

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

André Ventura rejeita qualquer hipótese de entendimentos entre o Chega e o PSD ou CDS-PP

O presidente demissionário e deputado único do Chega, André Ventura, diz que o Chega “não está à venda” nem tem intenção de se tornar “o CDS do século XXI” e deixa a mesma resposta para o PSD e CDS-PP: “Não obrigado, não queremos nem aceitamos” acordos ou entendimentos.
Comentários