António Costa: “Custo social do confinamento foi enorme. Não podemos passar por isso outra vez”

“O custo social do confinamento foi enorme e não podemos passar por isso tudo outra vez. Compreendo que haja alguma fadiga ao fim de todos estes meses mas isto só terminará quando houver uma vacina ou um tratamento eficaz”, realçou o primeiro-ministro no final da reunião de emergência.

John Thys/EPA

O primeiro-ministro António Costa realçou esta sexta-feira que o custo social do confinamento foi considerável e sublinhou que é responsabilidade dos cidadãos a capacidade de prevenção e difusão desta pandemia.

“O custo social do confinamento foi enorme e não podemos passar por isso tudo outra vez. Compreendo que haja alguma fadiga ao fim de todos estes meses mas isto só terminará quando houver uma vacina ou um tratamento eficaz. Está nas mãos de cada um assegurar o que é necessário: controlar a pandemia para que as aulas e as empresas possam funcionar”, realçou o primeiro-ministro.

“Parar o país teve um custo enorme, foram destruídos milhares de postos de trabalho. Parar as aulas presenciais também foi prejudicial”, referiu António Costa.

Apesar de referir que os cidadãos podem confiar no SNS e no aumento da capacidade de testagem, o governante salientou que “a melhor ajuda que podemos dar ao SNS é prevenirmos o nosso comportamento”. Para António Costa, “o maior perigo do Covid são as pessoas assintomáticas e a nossa responsabilidade é permanente”.

António Costa convocou para esta sexta-feira a reunião do gabinete de crise devido ao aumento de casos e no sentido de monitorizar e fazer um ponto de situação do combate da pandemia em Portugal. Esta reunião de emergência foi marcada pelo crescimento do número de casos nos últimos dias.

Relacionadas

Costa: “A manter-se esta tendência, chegaremos a mil novos casos por dia na próxima semana”

O primeiro-ministro afastou hoje a possibilidade de novas medidas de confinamento, apesar do aumento de casos diários nas últimas semanas.
Recomendadas

Venezuela testou com sucesso molécula que anula o novo coronavírus

O Presidente da Venezuela explicou ainda que se trata da molécula DR10, que foi totalmente isolada e “não tem nenhum tipo de toxicidade que afete moléculas saudáveis” ou cause efeitos colaterais.

Estado australiano foco da pandemia levanta confinamento a partir de terça-feira

O confinamento foi decretado em julho, quando o número de novos casos era de cerca de 190 por dia, número que subiu para 700 em agosto.

OE2021: Rio diz que nem com alterações na especialidade orçamento fica em condições

Assim, de acordo com Rio, o PSD vai votar contra na generalidade “na convicção de que, por mais alterações que se possam fazer na especialidade”, o documento “não vai ficar em condições de fazer aquilo” que os sociais-democratas consideram que “deve ser feito”.
Comentários