António Costa: economia portuguesa “dá sinais de continuar a progredir”

Secretário-geral do PS foi o orador convidado do almoço-debate do International Club of Portugal.

O secretário geral do PS mostrou esta quinta-feira confiança na capacidade de Portugal para enfrentar os riscos externos que estão a avolumar-se. Num almoço-debate do International Club of Portugal com a parceria do Jornal Económico, António Costa salientou que a economia “dá sinais de continuar a progredir”.

Falando sobre “Uma década de convergência com a União Europeia”, António Costa sublinhou a trajetória económica dos últimos anos, particularmente desde 2017, em que Portugal cresceu acima da média europeia. “O país está muito diferente. Este crescimento tem sido sustentando pelo investimento privado e pelas exportações”, salientou.

António Costa frisou que o desempenho económico permitiu reduzir o desemprego e a contratação a termo, melhorando os rendimentos, tendo sido também “essencial para que o país encontrasse um caminho sustentável de consolidação orçamental e de redução da dívida pública”.

O primeiro ministro indicou que, apesar de haver múltiplos riscos externos no horizonte – enumerou o Brexit, as guerras comerciais e a desaceleração europeia -, “todos os indicadores mostram que a economia dá sinais de continuar a progredir” e o cumprimento da meta de défice para este ano, de 0,2%, não está em causa.

Relacionadas

Assista à intervenção de António Costa no ICPT com o tema “Década de convergência com a União Europeia”

O primeiro-ministro António Costa realiza esta quinta-feita uma intervenção sob o tema “Uma Década de Convergência com a União Europeia”.
Recomendadas

Leitores internacionais da Time Out não têm dúvidas: Bairro lisboeta de Arroios é o mais cool do mundo

A freguesia de Arroios, localizada na zona da Avenida Almirante Reis em Lisboa, superou bairros em Berlim, Lons Angeles, Nova Iorque, Tóquio ou Madrid.

Défice externo agrava-se para 1.633 milhões de euros até julho

O défice da balança de bens aumentou 2028 milhões de euros e o excedente da balança de serviços diminuiu 137 milhões de euros até julho, explica o Banco de Portugal.

“Universidade com 700 anos quer banir um alimento com milhares de anos? Incompreensível”. Produtores de leite revoltados com Universidade de Coimbra

A organização explica que a carne não é o principal produto das vacarias e que a venda ou engorda dos vitelos machos e das vacas após o fim da vida produtiva “é um complemento fundamental, quando o preço do leite está abaixo do custo de produção”.
Comentários