António Costa garante que não existe “qualquer divergência” com Mário Centeno

Na rede social Twitter, Costa frisou ainda que o Governo está “mobilizado ativamente” em torno da criação do primeiro orçamento da história da União Europeia para a zona euro.

O primeiro-ministro, António Costa, esclareceu este sábado não existir divergências entre si e o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno. “Não há qualquer divergência entre mim e o MEF [ministro de Estado e das Finanças] Mário Centeno”, escreveu o chefe de Governo na sua conta oficial na rede social Twitter.

Noutra publicação, o primeiro-ministro sublinhou que tanto ele como Mário Centeno cumpriram os seus papéis: “Ontem, Mário Centeno, como lhe compete, apresentou a proposta do Eurogrupo e eu, como me compete, expressei a já conhecida posição nacional. Os trabalhos prosseguirão para termos o orçamento que a zona euro precisa”.

Na rede social, Costa frisou ainda que o Governo está “mobilizado ativamente” em torno da criação do primeiro orçamento da história da União Europeia para a zona euro.

Na sexta-feira, na última reunião do Conselho Europeu, em Bruxelas, o primeiro-ministro e o ministro das Finanças, Mário Centeno, discutiram em plena reunião de líderes, segundo noticiou o “Expresso” este sábado.

Em conferência de imprensa, após a reunião do Conselho Europeu, Costa admitiu divergências com Centeno, que é também presidente do Eurogrupo, sobre o orçamento da zona euro, devido à “fórmula mal desenhada” deste instrumento, mas afastou “constrangimentos”.

Negando mal-estar com Centeno, Costa realçou que “não é a primeira vez que entre Portugal e o Eurogrupo não existe uma posição conjunta”.

Orçamento da zona euro gera discussão entre Costa e Centeno no Conselho Europeu

Ler mais
Relacionadas

Orçamento da zona euro gera discussão entre Costa e Centeno no Conselho Europeu

O primeiro orçamento para a zona euro foi debatido na última reunião do Conselho Europeu. Entre líderes, António Costa teve uma “discussão direta” com o seu ministro das Finanças, que enquanto presidente do Eurogrupo trabalhou em sentido contrário às pretensões do primeiro-ministro de Portugal.
Recomendadas

Marcelo promulga diploma que marca eleições indiretas nas CCDR para outubro

A alteração à data das eleições dos presidentes das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR), inicialmente marcadas para setembro, foi aprovada pelo Chefe de Estado, mantendo-se o alerta de que esse processo não é regionalização.

Costa apela aos “valores da paz e da cooperação” no 75º aniversário de Hiroshima

Primeiro-ministro recordou ataques através do Twitter e referiu que este “é um momento para refletir sobre os valores da paz e da cooperação entre os povos e para assegurar que os primeiros bombardeamentos nucleares tenham sido os últimos”

Durão Barroso considera que Fundo de Recuperação acordado em Bruxelas é “uma orgia financeira”

O antigo presidente da Comissão Europeia Durão Barroso defende que a Portugal terá de fazer uma boa gestão dos fundos comunitários e que a Assembleia da República deve reforçar o seu papel de fiscalização sobre a sua aplicação.
Comentários