António Costa: “Pôr austeridade em cima da crise pandémica seria aprofundar a crise”

Para o líder do executivo, nesta fase é preciso devolver confiança às pessoas para que a economia possa retomar e os postos de trabalhos e as empresas sejam assegurados.

Twitter António Costa

primeiro ministro reiterou hoje que colocar austeridade em cima da crise pandémica seria “aprofundar a crise”, concluindo que ninguém tem saudades dos cortes nos salários e pensões e ou deseja o seu regresso.

“Isso é uma vossa obsessão, a ideia de que as crises se vencem com austeridade. A austeridade já provou que não é boa forma de tratar crises, e o que esta crise precisa não é seguramente de austeridade”, afirmou António Costa, em declarações aos jornalistas, no final de uma iniciativa no Porto.

Para o líder do executivo, nesta fase é preciso devolver confiança às pessoas para que a economia possa retomar e os postos de trabalhos e as empresas sejam assegurados.

“Uma crise que tem uma rua comercial [Rua de Santa Catarina] como esta, com tão pouco movimento, onde temos os comerciantes a pedirem e a precisarem que as pessoas possam ter meios para poderem vir e terem confiança para poder vir, o desafio que nós temos é dar confiança às pessoas de que podem vir”, salientou.

O primeiro-ministro considerou que as lojas estão hoje equipadas com os meios de proteção individual que permitem garantir a segurança de clientes e funcionários e salientou que é preciso tudo fazer para “manter as empresas, manter os postos de trabalho e sustentar os rendimentos”.

“Portanto, pôr austeridade em cima desta crise seria só aprofundar a crise, portanto não vale a pena terem essa obsessão do regresso à austeridade. Creio que não deixou saudades a ninguém e ninguém tem vontade de voltar [à austeridade]”, reiterou.

António Costa começou o dia com uma visita ao CEIIA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, em Matosinhos, tendo seguido depois para Vila Nova de Gaia, onde entrou numa das estações da Avenida da República e seguiu viagem até à Estação da Trindade, no Porto.

Aí o governante, que se fez acompanhar de uma comitiva de elementos do Governo, visitou o comércio local e ouviu as dificuldades que os empresários enfrentaram nestes primeiros dias de desconfinamento.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 269 mil mortos e infetou mais de 3,8 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de 1,2 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.114 pessoas das 27.268 confirmadas como infetadas, e há 2.422 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Ler mais

Relacionadas

Portugal tem 27.268 casos confirmados de Covid-19 e 1.114 mortes

DGS confirmou mais nove mortes nas últimas 24 horas. A taxa de letalidade encontra-se nos 4,1%.

Mário Centeno: “Não podemos correr o risco de uma segunda onda da crise quando recuperarmos”

O presidente do Eurogrupo defendeu, em entrevista à “Bloomberg”, um Fundo de Recuperação com maturidades longas.
Recomendadas

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.

UTAO prevê que medidas previstas pelo Governo tenham impacto menor no défice 

“O contributo direto das novas medidas permanentes para o saldo orçamental de 2021 ascende a –499,3 ME. No relatório do MF [Ministério das Finanças] este contributo mede –1.947,0 milhões de euros”, pode ler-se no documento divulgado esta quinta-feira.
Comentários