António Costa: “Pôr austeridade em cima da crise pandémica seria aprofundar a crise”

Para o líder do executivo, nesta fase é preciso devolver confiança às pessoas para que a economia possa retomar e os postos de trabalhos e as empresas sejam assegurados.

Twitter António Costa

primeiro ministro reiterou hoje que colocar austeridade em cima da crise pandémica seria “aprofundar a crise”, concluindo que ninguém tem saudades dos cortes nos salários e pensões e ou deseja o seu regresso.

“Isso é uma vossa obsessão, a ideia de que as crises se vencem com austeridade. A austeridade já provou que não é boa forma de tratar crises, e o que esta crise precisa não é seguramente de austeridade”, afirmou António Costa, em declarações aos jornalistas, no final de uma iniciativa no Porto.

Para o líder do executivo, nesta fase é preciso devolver confiança às pessoas para que a economia possa retomar e os postos de trabalhos e as empresas sejam assegurados.

“Uma crise que tem uma rua comercial [Rua de Santa Catarina] como esta, com tão pouco movimento, onde temos os comerciantes a pedirem e a precisarem que as pessoas possam ter meios para poderem vir e terem confiança para poder vir, o desafio que nós temos é dar confiança às pessoas de que podem vir”, salientou.

O primeiro-ministro considerou que as lojas estão hoje equipadas com os meios de proteção individual que permitem garantir a segurança de clientes e funcionários e salientou que é preciso tudo fazer para “manter as empresas, manter os postos de trabalho e sustentar os rendimentos”.

“Portanto, pôr austeridade em cima desta crise seria só aprofundar a crise, portanto não vale a pena terem essa obsessão do regresso à austeridade. Creio que não deixou saudades a ninguém e ninguém tem vontade de voltar [à austeridade]”, reiterou.

António Costa começou o dia com uma visita ao CEIIA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, em Matosinhos, tendo seguido depois para Vila Nova de Gaia, onde entrou numa das estações da Avenida da República e seguiu viagem até à Estação da Trindade, no Porto.

Aí o governante, que se fez acompanhar de uma comitiva de elementos do Governo, visitou o comércio local e ouviu as dificuldades que os empresários enfrentaram nestes primeiros dias de desconfinamento.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 269 mil mortos e infetou mais de 3,8 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de 1,2 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.114 pessoas das 27.268 confirmadas como infetadas, e há 2.422 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Ler mais

Relacionadas

Portugal tem 27.268 casos confirmados de Covid-19 e 1.114 mortes

DGS confirmou mais nove mortes nas últimas 24 horas. A taxa de letalidade encontra-se nos 4,1%.

Mário Centeno: “Não podemos correr o risco de uma segunda onda da crise quando recuperarmos”

O presidente do Eurogrupo defendeu, em entrevista à “Bloomberg”, um Fundo de Recuperação com maturidades longas.
Recomendadas

PremiumTurismo fustigado em economia que pode cair 2% este ano, estima Católica

Economistas da Católica estão pessimistas sobre o efeito do confinamento na economia este ano. Turismo é dos setores mais afetados.

PremiumPais de crianças até aos 12 anos recebem 66% do salário

Os pais com crianças até aos 12 anos que sejam obrigados a ficar em casa devido ao fecho das escolas recebem até 66% do salário, com um limite mínimo de 665 euros e um limite máximo de 1.995 euros

Autoeuropa suspende produção aos fins-de-semana após fecho das escolas

Decisão da maior exportadora nacional deve-se ao impacto da reorganização familiar decorrente do fecho das escolas na actividade da Autoeuropa, onde trabalham muitos casais, e ao aumento do número de casos de Covid-19 e de colaboradores confinados, o que provoca a falta de trabalhadores nas linhas de produção. Suspensão de produção na fábrica aos fins-de-semana deverá manter-se enquanto escolas estiverem encerradas.
Comentários