“António Costa Silva? A CIP tem como interlocutores os membros do Governo”, avisa vice-presidente dos ‘patrões’

A CIP não descarta uma eventual reunião com António Costa Silva sobre a criação de um programa para as pequenas e médias empresas, mas vincou que terá uma postura institucional.

Rafael Campos Ferreira

A CIP — Confederação Empresarial de Portugal, não recusa participar numa eventual reunião com o professor do Instituto Superior Técnico e CEO da Partex, António Costa Silva, que foi convidado pelo primeiro-ministro, António Costa, a preparar um plano estratégico para a retoma da economia, mas salienta que o seu interlocutor é o Governo e que manterá sempre uma posição institucional.

Rafael Campos Pereira, vice-presidente da CIP, quando questionado sobre a posição da associação dos patrões perante o convite de António Costa a António Costa Silva, referiu esta segunda-feira, numa conferência de imprensa através de meios telemáticos, que “a CIP tem como interlocutores os membros do Governo e nomeadamente o ministro da Economia, o ministro do Trabalho, o primeiro-ministro e todos aqueles membros do Governo que liderarem ou que tutelarem as pastas e os dossiês com os quais a CIP tem de interagir com o Governo. Esses são os nossos interlocutores, como também os órgãos em que participamos, nomeadamente na Comissão Permanente de Consertação Social”.

O vice-presidente da CIP falava durante a conferência de imprensa que se seguiu à apresentação dos resultados do inquérito “Sinais Vitais”, realizado em conjunto entre a CIP — Confederação Empresarial de Portugal e o Marketing FutureCast Lab do ISCTE.

No domingo passado, António Costa Silva explicou, em entrevista à RTP, que está a delinear um plano para a retoma da economia assente em quatro eixos, entre os quais se destaca a criação de um “grande programa para as pequenas e medias empresas, que são mais de 95% do nosso tecido empresarial”, matéria sobre a qual a CIP tem interesse.

Questionado sobre se a CIP já tinha sido ouvida ou se esperava ser ouvida sobre a criação deste programa, Rafael Campos Pereira remeteu a resposta para um passado recente. “A CIP tem sido ouvida por este Governo, tem apresentado um conjunto de propostas e esperamos que continuem a ser acolhidas cada vez mais no sentido de ajudarmos a defender a economia portuguesa e a salvaguardar a iniciativa privada e o setor empresarial.

Rafael Campos Pereira também foi questionado sobre uma eventual reunião entre a CIP e António Costa Silva, não a descartando, mas vincou que a CIP manterá uma postura institucional. “A posição da CIP não deixará de ser institucional. Como é evidente, o professor António Costa Silva, se vier a ser incumbido pelo Governo para a realização de algum trabalho, será institucional e oficial, não poderá deixar de o ser”.

“Nesse sentido, avaliaremos e, naturalmente, qualquer reunião institucional, a CIP nunca faltou nem faltará. Quanto a isso, é um não problema. Avaliaremos e nunca deixaremos ninguém a falar sozinho e também temos a certeza absoluta que o Governo não vai incumbir ninguém ad hoc para tratar de assuntos que dizem respeito à política do Governo. Será sempre alguém mandatado formal e institucionalmente pelo Governo”, adiantou.

Rafael Campos Pereira não se quis pronunciar sobre o que pensa António Costa Silva em relação ao posicionamento do Estado na economia. “A única coisa que dizemos é que a CIP defende que o Estado deve ser regulador e forte, mas não um Estado que venha a intervir excessivamente na economia”, realçou o vice-presidente dos patrões.

“Defendemos que o Estado use os recursos dos contribuintes para fazer face a dificuldades destas, como aquelas que estamos a atravessar. As nossas propostas quanto ao plano são conhecidas, estamos a falar da capitalização das empresas, na ajuda às empresas através das linhas de crédito, nos seguros de crédito, manter o regime de lay-off simplificado, entre outras. Não nos vamos pronunciar sobre o que o professor António Costa Silva pensará e sobre a sua visão da economia”, concluiu.

Ler mais
Relacionadas

Marcelo diz que respeita escolha de Costa Silva pelo primeiro-ministro

Presidente diz respeitar as “escolhas feitas pelo primeiro-ministro quanto a colaboradores com importância e particular responsabilidade para missões específicas”, referindo-se ao novo conselheiro económico de António Costa.

O que Portugal precisa para não falhar, segundo António Costa Silva

O gestor que o primeiro-ministro convidou para ajudar o Governo a delinear o plano de recuperação diz que Portugal tem instituições sólidas, mas alerta que as políticas públicas têm de ser mais inteligentes e inclusivas.

Plano de António Costa Silva visa portos, energia, digital e saúde

“Esta crise mostrou que o papel do Estado tem que ser mais valorizado, mais Estado na economia, o Estado é o último protetor contra todo o tipo de ameaças”, afirmou o gestor independente, que diz ser “favorável aos mercados”, convidado pelo primeiro-ministro para elaborar um plano de recuperação económica para o pós-pandemia Covid-19.
Recomendadas

Uber só aceita carros elétricos a partir de 16 de julho

Uber quer acelerar eletrificação da frota de automóveis disponibilizados na plataforma. Para já, medida será aplicada aos novos veículos que se registem na plataforma nas áreas de Lisboa, Porto, Braga e Faro, nos serviços UberX, o principal da empresa, e Uber Comfort. Já nos serviços Black e XL, a empresa vai continuar a permitir a inscrição de veículos a gasóleo ou gasolina na sua plataforma, mas somente se substituírem um veículo já registado.

Retrato: 10 números que ilustram a delicada situação que a TAP vive

A pandemia da Covid-19 mudou o destino da companhia aérea portuguesa. Os vários cenários em cima da mesa neste momento apontam para a possibilidade de nacionalização, conforme já avisou o Governo, ou para a saída de um dos acionistas privados da empresa, David Neeleman. Estes 10 números ajudam a compreender a delicada situação que a transportadora aérea vive.

Da TAP à Air France-KLM. As principais condições impostas por Bruxelas para as ajudas de Estado

A Comissão Europeia impôs condições apertadas para os apoios de Estado às companhias áreas. A Lufthansa terá de abrir mão de 24 slots por dia em Frankfurt e Munique, a Air France vai reduzir os voos domésticos em 40% e a KLM o número de voos em 20%. Em Itália, o futuro da Alitalia parece mais incerto do que o da TAP.
Comentários