António Costa Silva diz que não vai negociar com partidos depois de críticas de BE, PCP, PAN e CDS-PP

À exceção do Partido Social-Democrata (PSD), os partidos já avisaram que recusam negociar com “paraministros” e criticam escolha do presidente da petrolífera Partex, António Costa Silva, para desenhar um programa de recuperação económica e representar o Governo nas negociações com os partidos e parceiros sociais. Depois das críticas, gestor já veio a público garantir que não se vai sentar à mesa de negociações.

A decisão do Governo de escolher o CEO da empresa petrolífera Partex, António Costa Silva, para desenhar um programa de recuperação económica apanhou os líderes políticos de surpresa. À exceção do Partido Social-Democrata (PSD), os partidos recusam a existência de “paraministros” e criticam escolha do Executivo de António Costa, mostrando-se desde já indisponíveis para negociar com António Costa Silva.

Para a coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, o primeiro-ministro é “aconselhado por quem acha que pode fazer esse trabalho; é livre de o escolher”, mas deixa claro que “o BE, naturalmente, negoceia com membros do Governo, como fez até agora e como mandam, aliás, as regras da boa transparência da nossa democracia”. E acrescenta: “a figura de ‘paraministro’ não pode existir”.

“As pessoas que têm competência para tomar decisões em Portugal, que estão sujeitas não só a um regime de incompatibilidades e impedimentos estritos como de transparência sobre os seus rendimentos são membros do Governo: ministros e secretários de Estado”, sustenta Catarina Martins.

Também o Partido Comunista (PCP) considera que deve ser o próprio Governo a negociar com os partidos e parceiros sociais, pois é a ele que compete essa função. “O Programa de Recuperação Económica deve ser discutido com quem deve ser discutido, que é com a Assembleia da República e com o Governo”, disse fonte oficial do partido ao “Jornal de Notícias”.

Já o partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) rejeita debater plano de recuperação económica com “homem do petronegócio” e que “inviabiliza” o cumprimento do programa de Governo sobre alterações climáticas.

O porta-voz do PAN, André Silva, diz que o gestor da petrolífera Partex tem uma “já conhecida visão económica para o país” assente, entre outras coisas, “no desprezo pelos efeitos das alterações climáticas” e que “coloca o lobby do petronegócio e do negócio, das grandes poluidoras no Conselho de Ministros, do negacionismo das alterações climáticas e abre a porta ao incumprimento das metas da descarbonização da economia no pós covid-19”.

Quem também se recusa a reunir com o ‘paraministro’ é o CDS-PP. “Para discutir o plano de recuperação económica do país, o CDS conta reunir com Costa e Siza [ministro do Estado e da Economia], e não com Costa Silva. O primeiro-ministro pode escolher com quem é que os seus ministros se aconselham, mas em matéria de governação do país, o CDS deve falar com o Governo e não com quem o Governo fala”, informa o partido, em comunicado.

Já o PSD garante estar disponível para se reunir com António Costa Silva e negociar o plano de recuperação económica do país. “O PSD sempre teve uma oposição responsável e colaborante. Cabe ao Governo definir as suas escolhas. Não nos imiscuímos naquilo que foi a decisão do primeiro-ministro e, obviamente, estaremos na disposição de colaborar com quem ele indigitar”, afirmou a vice-presidente do PSD Isabel Meirelles ao “JN”.

Isabel Meirelles vai mais longe e diz mesmo que a explicação da escolha de António Costa Silva para o papel de ‘paraministro’ talvez se deva a “uma remodelação que se pensa que está para breve, até porque tudo leva a crer que Mário Centeno sairá depois da apresentação do Orçamento suplementar”. “[Pensamos] que António Costa Silva possa vir a integrar o elenco governativo de Antonio Costa”, aponta.

António Costa Silva esclarece que a sua missão não é negociar com partidos e parceiros sociais

Depois das críticas dos partidos, António Costa Silva veio esclarecer, em entrevista à RTP no domingo, que a sua missão não é negociar com os partidos e parceiros sociais. “Os partidos têm razão, eu tenho imenso respeito pelos partidos. A minha missão não e negociar, a minha missão é fazer o plano. Quem vai negociar, fazer as escolhas, e estabelecer prioridades, é o Governo”, sublinhou.

O primeiro-ministro confirmou este domingo que convidou o gestor da Partex para “coordenar a preparação do Programa de Recuperação Económica”, que deve estar concluído até à aprovação do Orçamento Suplementar. O convite foi aceite “como contributo cívico e ‘pro bono'”, “enquanto os membros do Governo estão concentrados, nesta fase, no Programa de Estabilização Económica e Social e no Orçamento Suplementar”.

“O objetivo é este trabalho preparatório estar concluído quando o Governo aprovar o Orçamento Suplementar”, altura em que o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, assumirá “a direção da elaboração do Programa de Recuperação”, acrescenta o gabinete de António Costa.

António Costa Silva rejeitou ainda à RTP a possibilidade de vir a integrar o Executivo socialista. “Não serei” do Governo, disse em entrevista à RTP este domingo.

Ler mais
Relacionadas

O que Portugal precisa para não falhar, segundo António Costa Silva

O gestor que o primeiro-ministro convidou para ajudar o Governo a delinear o plano de recuperação diz que Portugal tem instituições sólidas, mas alerta que as políticas públicas têm de ser mais inteligentes e inclusivas.

António Costa Silva diz que não vai para o Governo

O novo conselheiro económico de António Costa garantiu que não vai integrar o Executivo. Sobre a TAP, defende a intervenção do Estado, mas preservando os postos de trabalho.

Plano de António Costa Silva visa portos, energia, digital e saúde

“Esta crise mostrou que o papel do Estado tem que ser mais valorizado, mais Estado na economia, o Estado é o último protetor contra todo o tipo de ameaças”, afirmou o gestor independente, que diz ser “favorável aos mercados”, convidado pelo primeiro-ministro para elaborar um plano de recuperação económica para o pós-pandemia Covid-19.

PS elogia escolha de Costa e Silva para preparar programa de recuperação económica

O vice-presidente da bancada socialista Carlos Pereira considerou hoje “uma boa solução” o convite do primeiro-ministro ao gestor António Costa e Silva para preparar o programa de recuperação económica, frisando que o Governo estará sempre neste processo.
Recomendadas

Portugal quer “reforçar cooperação” com Guiné-Bissau na saúde, educação e justiça

António Costa afirma ter sublinhado o seu “empenho pessoal no relacionamento fraterno entre Portugal e a Guiné-Bissau”, que “deve estar à altura dos laços históricos” que unem os dois povos.

Governo revela plano de contingência para evitar colapso do SNS no outono

O gabinete de Marta Temido anunciou algumas medidas que deverão evitar o colapso do SNS numa altura em que a gripe sazonal marca o regresso. O Ministério da Saúde vai antecipar já para o início de outubro a vacinação contra a gripe sazonal e reforçar cuidados intensivos e laboratórios.

PremiumNovo Banco: Bloco de Esquerda considera “opaco” acordo com Bruxelas

BE já pediu documentos sobre cláusula em que Estado aceitou ser responsável por tudo aquilo que correr mal associado ao Novo Banco.
Comentários