António Costa só não é o líder partidário favorito dos eleitores mais velhos e dos rurais

Primeiro-ministro lidera em praticamente todos os segmentos, deixando a Rui Rio apenas a primazia entre os eleitores mais velhos e os que residem em zonas rurais. Segundo a sondagem “Atração e Rejeição de Líderes Partidários”, realizada pela Aximage, Catarina Martins tem o segundo melhor índice de atratividade entre os votantes que têm entre 35 e 64 anos.

“Os avanços alcançados desmentem aqueles que estão sempre a queixar-se de que tudo está mal, como se não tivessem qualquer responsabilidade por aquilo que antes fizeram.”

António Costa é o líder partidário mais ‘atraente’ para o eleitorado português em todos os segmentos menos entre aqueles que residem em ambiente rural e os que têm idade igual ou superior a 65 anos. Segundo a sondagem “Atração e rejeição de líderes partidários”, realizada pela Aximage para o Jornal Económico, nesses dois casos particulares é Rui Rio quem se impõe, sendo o único além do rival socialista a obter dois valores positivos: 8 entre os ‘rurais’ (enquanto o primeiro-ministro e secretário-geral do PS apresenta 15 pontos negativos) e de 5 entre os mais velhos (que dão seis pontos negativos a Costa).

Nada disso belisca o domínio absoluto do atual primeiro-ministro, que é o único líder partidário a ter um índice de atratividade positivo global (7), entre os homens (11), as mulheres (7), os eleitores entre os 18 a 34 anos (14), os 35 e 49 anos (16), os 50 e 64 anos (4), com escolaridade obrigatória (8) e mais do que obrigatória (7). O mesmo lhe sucede entre os eleitores semiurbanos (13) e urbanos (10), enquanto nas regiões em que a Aximage conduziu 985 entrevistas, entre 1 e 8 de setembro, só no Litoral Centro apresenta resultado negativo (-4), tendo saldo positivo no Sul e Ilhas (1), Interior Norte e Centro (1), Área Metropolitana do Porto (2), Litoral Norte (8) e Área Metropolitana de Lisboa (21).

António Costa acaba por ter um índice de atratividade superior entre os homens (11) do que entre as mulheres (3), sendo essa uma tendência a que só escapam Catarina Martins e Assunção Cristas (ambas têm o mesmo valor entre eleitores masculinos e femininos, com 31 pontos negativos para a bloquista e 44 pontos negativos para a centrista), e ainda mais André Silva. O líder e até agora único deputado do PAN – Pessoas, Animais, Natureza apresenta um resultado melhor entre as mulheres (-48) do que entre os homens (-50).

O índice de atratividade é a média ponderada de uma escala onde 3 corresponde à resposta “votaria de certeza absoluta”, 1 corresponde a “poderia votar”, e -3 corresponde a “nunca votaria”. O resultado é posteriormente transformado a variar entre -100 (todos rejeitam) e 100 (todos votariam de certeza).

Apesar de Rui Rio ser o segundo líder partidário com melhor índice de atratividade dos eleitores – tem um resultado global de 17 pontos negativos, contra os sete pontos positivos de António Costa -, nem todos os segmentos atribuem esse estatuto ao presidente do PSD. A líder bloquista Catarina Martins impõe-se na segunda posição nos eleitores entre 35 e 49 anos (tem 20 pontos negativos, contra 25 pontos negativos de Rio) e nos que têm entre 50 e 64 anos (30 pontos negativos, ligeiramente melhor do que 34 negativos do social-democrata), mas é alvo de um nível particularmente elevado de rejeição (58 pontos negativos) entre os eleitores mais velhos.

No que toca a regiões, Rio tem os melhores resultados, além do Litoral Norte (2), no Interior Norte e Centro (-10), Litoral Centro (-14), Sul e Ilhas (-15) e Área Metropolitana do Porto (-15), mas cai num verdadeiro abismo na Área Metropolitana de Lisboa, onde os 33 pontos negativos o colocam em igualdade com Catarina Martins.

Por seu lado, Assunção Cristas tem os resultados menos maus no Litoral Norte (-25), onde é a terceira líder com melhor índice de atratividade, e entre os eleitores rurais (-23), a larga distância de Catarina Martins, Jerónimo de Sousa e André Silva, e não muito distante de António Costa (-15). E a presidente do CDS-PP é igualm ente a terceira para os eleitores com 65 anos ou mais (-37 pontos) e empata com a líder bloquista nos eleitores com escolaridade obrigatória (-38).

Para o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, os níveis de rejeição são constantes em todos os segmentos, mas ligeiramente inferiores na Área Metropolitana de Lisboa (-37), no Litoral Norte (-39) e entre os eleitores de 18 a 34 anos (-35) e de 35 a 49 anos (-38).

André Silva tem a sua maior força no eleitorado com menos de 35 anos, que lhe concede um índice de atratividade de 19 pontos negativos, só atrás de António Costa, Rui Rio e Catarina Martins, mas o líder do PAN tem o reverso da medalha naqueles que têm 65 anos ou mais, apresentando um índice de 79 pontos negativos, o que deixa a larga distância de todos os outros líderes de partidos com representação parlamentar e com maior nível de rejeição do que Marinho e Pinto (PDR) e próximo de Rui Tavares (Livre) e André Ventura (Chega). Já na segmentação regional, é no Litoral Norte (-36) e na Área Metropolitana de Lisboa (-42) que obtém os resultados menos negativos.

FICHA TÉCNICA:

Universo: Indivíduos maiores de 18 anos residentes em Portugal. Amostra: Amostragem por quotas, obtida a partir de uma matriz cruzando idade e região, a partir do universo conhecido, reequilibrada por habitat (3), género (2), escolaridade (2), e voto anterior. A amostra teve 985 entrevistas efetivas: 229 entre os 18 e os 34 anos, 291 entre os 35 e os 49 anos, 245 entre os 50 e os 64 anos e 220 para os 65 e mais anos; Interior Norte e Centro 86, Litoral Norte 126; Área Metropolitana do Porto 173; Litoral Centro 190; Área Metropolitana de Lisboa 284; Sul e Ilhas 126. Técnica: Aplicação online – CAWI (Computer Assisted Web Interviewing) – de um questionário estruturado a um painel de indivíduos que preenchem as quotas pré-determinadas para os indivíduos com idades compreendidas entre os 18 e os 64 anos; entrevistas telefónicas – metodologia CATI (Computer Assisted Telephone Interviewing) do mesmo questionário devidamente adaptado ao suporte utilizado, ao sub-universo utilizado pela AXIMAGE nos seus estudos políticos, com preenchimento das mesmas quotas para os indivíduos com 65 e mais anos. O trabalho de campo decorreu entre 1 e 8 de setembro de 2019. A taxa de resposta obtida através do método CATI foi de 73,1%. Erro probabilístico: O processo amostral, não sendo aleatório, implica a não indicação do erro probabilístico. Contudo, para efeitos de comparação, para uma amostra probabilística com 985 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,016 (ou seja, uma “margem de erro” – a 95% – de 3,10%). Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de João Queiroz.

 

 

 

Ler mais
Recomendadas
antónio_costa_silva_partex_4

António Costa Silva defende “pacto entre Estado e empresas”

António Costa Silva, gestor nomeado pelo primeiro-ministro para coordenar os trabalhos preparatórios do plano de relançamento da economia, defende, em entrevista à Lusa, um “pacto entre Estado e empresas” e um “equilíbrio virtuoso” com os mercados.

Costa Silva: Plano de recuperação económica deverá ser entregue no final do mês

O plano de recuperação económica terá “cerca de nove ou 10 pilares estratégicos” e deverá ser entregue “no final do mês”, disse António Costa Silva, gestor nomeado para coordenar os trabalhos preparatórios do plano de relançamento da economia.

PSD quer aumentar dedução do IVA com hotéis e hostels para promover férias em Portugal

A medida consta do programa de retoma económica apresentado esta quarta-feira pelo PSD e tem em vista incentivar os portugueses a dar preferência a férias em Portugal e contribuir para uma recuperação rápida do setor que foi fortemente prejudicado pela pandemia da Covid-19.
Comentários