António Costa: “Um cenário à espanhola, com um PS fraco e o nosso ‘Podemos’ forte, inviabilizaria a estabilidade”

Questionado se admite governar sem acordos na próxima legislatura, o secretário-geral do PS não admitiu, nem descartou o cenário, preferindo “não especular”, mas disse “quem tem melhores ferramentas trabalha melhor, quem tem piores ferramentas trabalha pior”.

O primeiro-ministro faz um balanço positivo da ‘geringonça’, mas a menos de um mês do início da campanha eleitoral para as legislativas de 6 de outubro, apela a um PS mais forte. Em entrevista ao jornal Expresso, publicada este sábado, António Costa não descarta ainda um cenário de governação sem acordos.

“Um cenário à espanhola, com um PS fraco e o nosso Podemos forte [em alusão ao Bloco de Esquerda] , seguramente inviabilizaria a estabilidade política”, refere, sublinhando que o PCP e o Bloco de Esquerda são partidos de “natureza muito diferente” e que “o PCP tem uma maturidade institucional muito grande”.

No entanto, o primeiro-ministro reconhece que “sem o apoio” dos dois parceiros à esquerda “não teríamos tido este Governo”.

“Se não tivéssemos tido este Governo, não teríamos tido uma política económica que deu prioridade à devolução de rendimentos; sem a devolução de rendimentos, não tínhamos reposto a confiança na sociedade portuguesa, que foi a base para o aumento do investimento”, acrescentou.

Questionado se admite governar sem acordos na próxima legislatura, o secretário-geral do PS não admitiu, nem descartou o cenário, preferindo “não especular”, mas disse que “quem tem melhores ferramentas trabalha melhor, quem tem piores ferramentas trabalha pior”.

Relativamente à oposição, questionado sobre o programa eleitoral do PSD, apesar de reconhecer que ainda não o leu “de fio a pavio”, António Costa classificou-o como um “mau exemplo do que deve ser um programa de um partido que pretende ser Governo”.

Ler mais
Recomendadas

Eleições Guiné-Bissau: CNE confirma vitória de Embaló

A CNE rejeitou as reclamações apresentadas pelo representante da candidatura de Domingos Simões Pereira.

Brexit: Barnier pronto a começar negociações mas alerta que “não as concluirá a qualquer preço”

O negociador-chefe da União Europeia espera um bom arranque das negociações, até porque, sublinhou, “há muito pouco tempo pela frente”, dado um acordo abrangente ter de ficar ‘fechado’ até ao final do ano, altura em que termina o chamado período de transição do ‘Brexit’.

Bruxelas pede a Portugal e mais 21 países para acabar com captura acidental de golfinhos

O comissário Europeu Virginijus Sinkevičius afirmou que, em toda a UE, “os níveis de capturas acidentais são inaceitáveis”, podendo levar à “extinção de populações locais de espécies protegidas”.
Comentários