António Costa: “Um cenário à espanhola, com um PS fraco e o nosso ‘Podemos’ forte, inviabilizaria a estabilidade”

Questionado se admite governar sem acordos na próxima legislatura, o secretário-geral do PS não admitiu, nem descartou o cenário, preferindo “não especular”, mas disse “quem tem melhores ferramentas trabalha melhor, quem tem piores ferramentas trabalha pior”.

O primeiro-ministro faz um balanço positivo da ‘geringonça’, mas a menos de um mês do início da campanha eleitoral para as legislativas de 6 de outubro, apela a um PS mais forte. Em entrevista ao jornal Expresso, publicada este sábado, António Costa não descarta ainda um cenário de governação sem acordos.

“Um cenário à espanhola, com um PS fraco e o nosso Podemos forte [em alusão ao Bloco de Esquerda] , seguramente inviabilizaria a estabilidade política”, refere, sublinhando que o PCP e o Bloco de Esquerda são partidos de “natureza muito diferente” e que “o PCP tem uma maturidade institucional muito grande”.

No entanto, o primeiro-ministro reconhece que “sem o apoio” dos dois parceiros à esquerda “não teríamos tido este Governo”.

“Se não tivéssemos tido este Governo, não teríamos tido uma política económica que deu prioridade à devolução de rendimentos; sem a devolução de rendimentos, não tínhamos reposto a confiança na sociedade portuguesa, que foi a base para o aumento do investimento”, acrescentou.

Questionado se admite governar sem acordos na próxima legislatura, o secretário-geral do PS não admitiu, nem descartou o cenário, preferindo “não especular”, mas disse que “quem tem melhores ferramentas trabalha melhor, quem tem piores ferramentas trabalha pior”.

Relativamente à oposição, questionado sobre o programa eleitoral do PSD, apesar de reconhecer que ainda não o leu “de fio a pavio”, António Costa classificou-o como um “mau exemplo do que deve ser um programa de um partido que pretende ser Governo”.

Ler mais
Recomendadas

CMEC: EDP recusa todas as acusações de favorecimento

A elétrica nacional refuta todos os pontos de eventual favorecimento de que é acusada e diz que tudo decorreu com uma transparência que a própria União Europeia confirmou.

“Vandalização”: Presidente do Instituto Superior Técnico critica mural do Bloco de Esquerda

Arlindo Oliveira criticou o mural realizado pelo partido de Catarina Martins nos muros do campus da Alameda em Lisboa. “Será que a vandalização de património público consta no programa do Bloco de Esquerda?”

Eleições: Rui Rio considera que 200 milhões para aumentos salariais “não chega para nada”

O presidente do PSD considerou esta sexta-feira que se o Governo só tem 200 milhões de euros para aumentar os funcionários públicos, estes estão “desgraçados” porque este dinheiro “não chega para nada” nos próximos quatro anos.
Comentários