Apenas 1% dos cabo-verdianos usa jornal como meio de informação

Estaudo realizado pelo INE e pela direção-geral de Comunicação Social no âmbito do Inquérito Multi-Objetivo Contínuo de 2018 concluiu que apenas 1% dos cabo-verdianos lêem jornais para ter acesso a informação. A televisão, com 82%, é o meio mais utilizado para a população de Cabo Verde se informar.

A maioria da população de cabo-verdiana (59%) não sabe apontar o nome de um jornal cabo-verdiano impresso, meio de comunicação social que é utilizado por apenas 1% das pessoas para ter acesso a informação. A televisão é o meio preferencial dos cabo-verdianos para se informarem, com 82% .

Estas são as conclusões dos dados provisórios do estudo sobre o acesso e consumo da comunicação social levado a cabo no âmbito do Inquérito Multi-Objetivo Contínuo de 2018 e que foi realizado pelo  Instituto Nacional de Estatística (INE) e pela Direção-Geral de Comunicação Social.

Para ter acesso a informação do país e do mundo, 82% da população cabo-verdiana escolhe a televisão, 76% a internet, sendo 98 % via móvel, 46% através da radio, 39% computador, 24% via TV por assinatura e 1% através do jornais impressos.

De entre as várias estações de televisões a TCV-televisão de CV é a mais assistida, seguida da Record CV. Em terceiro lugar das preferências surge a SIC, com 24%, seguida da também portuguesa Sporttv, com 23%. O canal privado cabo-verdiano TIVER, que entretanto suspendeu as emissões, surge depois, com 19% das preferências, seguida da RTP África.

A preferência tem ligeiras mudanças entre as ilhas. Por exemplo, a SIC é a preferida na ilha de Santo Antão e em Santiago é a TV record.

A frequência de consumo de televisão é de duas hora e meia por dia, tempo semelhante ao das emissões da rádio.

Quanto à notoriedade das rádios, a RCV surge em primeiro lugar com 39%, Crioula Fm com 31%, Praia FM 28%, Rádio Nova 22%, 16 RCV+, Morabeza 14% e Rádio Comercial 8%.

O estudo também aponta algumas nuances, na capital cabo-verdiana a Praia FM é mais ouvida e no resto de Santigo a crioula FM.

Na componente dos jornais impressos, 59% dos inquiridos não soube dizer o nome de qualquer publicação.
Para o Ministro da Cultura, tutela da comunicação social, esta conclusão significa que é preciso repensar a política de distribuição dos jornais.

“Há locais em Cabo Verde onde não há acesso aos jornais porque os jornais simplesmente não chegam”, observou, depois, em declarações aos jornalistas.

O estudo divulgado esta segunda-feira refere que apenas 4% dos inquiridos leu jornais impressos nos três meses anteriores ao estudo, que decorreu de novembro a dezembro de 2018. Entre estes, 67% leu jornais em papel pelo menos uma vez por semana e 40% comprou pelo menos um jornal impresso.

Em termos de jornais online, 58% dos inquiridos não soube apontar um nome, mas os restantes identificaram o portal do semanário A Nação(25%), o desportivo português A Bola (18%) e o portal do cabo-verdiano Expresso das Ilhas (15%).

Nos três meses anteriores ao estudo, 22% dos inquiridos referem ter lido notícias nos jornais online, dos quais 67% são homens e 88% do total vivem em meio urbano.

O estudo aponta que apesar de 45% das informações serem acedidas através das redes socias o nível de confiança na informação que estas publicam é baixa 34%:

Para o ministro Abraão Vicente, a “boa notícia” destas conclusões é que “apesar de se ter acesso às redes sociais”, a procura pela credibilidade das informações publicadas em Cabo Verde é feita pelo acesso aos órgãos tradicionais.

Em relação aio conhecimento da Televisão Digital Terrestre (TDT), previsto em todas as ilhas ainda este ano,  35% já ouviu falar,  22% sabe o que é, 33% tem, conhecimento que poderá vir assistir TV em formato digital  e 70% não sabe o ano que poderá vir a ter acesso.

Para o inquérito de acesso e consumo da comunicação social o INE recolheu uma amostra de 6,143 pessoas com idades dos 15  ou mais, com representatividade de todos os concelhos

Ler mais
Relacionadas

Autarca de Cabo Verde pede aos emigrantes para investirem no concelho de São Miguel

‟Para vencer a pobreza, vencer o subdesenvolvimento e criar oportunidade para os jovens e criar condições para ter mais investimento de emigrantes é preciso fazer aquilo que estamos a fazer”, diz Herménio Fernandes.

IEFP de Cabo Verde quer beneficiar cerca de 300 jovens da Brava

No âmbito de Programa de Estágios Profissionais, promovido pelo NOSI Akademia, serão beneficiados 145 jovens a nível nacional, sendo que já foram formados 49 e este mesmo programa vai colocar ainda neste mês de agosto mais 48 jovens estagiários, perfazendo assim, um total de 97 estagiários.

Administração pública de Cabo Verde sem aumentos em 2020

Uma nova reunião entre os parceiros sociais ficou agendada para setembro. Nessa altura será apresentado o valor do Orçamento de Estado para 2020, “superior a de 2019, segundo Olavo Correia que não quis avançar por enquanto o montante.
Recomendadas

Governo de Cabo Verde abre concurso para escolher 20 jovens para Conselho Consultivo da Juventude

Podem candidatar-se jovens dos 18 aos 35 anos de idade de nacionalidade cabo-verdiana.

Santo Antão vai ter novos empreendimentos turísticos a partir de outubro

Durante a época alta do turismo, Santo Antão recebe milhares de turistas, na sua grande maioria franceses, para a prática de ‘trekking’ (caminhadas em trilhas).

Banco Interatlântico alerta para tentativa de ‘phishing’

O banco comercial cabo-verdiano diz os emissores da mensagem solicitam a atualização de dados pessoais do recetor sob a condição de bloqueio da conta bancária.
Comentários