Apenas melhoria da economia faz diminuir rácio do défice da zona euro para 6,9% no segundo trimestre

Eurostat explica que o rácio entre o défice e o PIB diminuiu principalmente devido a um PIB mais elevado no segundo trimestre, enquanto tanto a despesa como a receita aumentaram em termos absolutos em comparação com os primeiros três meses do ano.

Francois Lenoir/Reuters

O défice público diminuiu na zona euro para 6,9% do Produto Interno Bruto (PIB) e na União Europeia para 6,3% no segundo trimestre, que compara com o défice de 7,1% e de 6,6%, respetivamente, atingido durante o primeiro trimestre. Os dados corrigidos de sazonalidade, divulgados esta sexta-feira pelo Eurostat, revelam, contudo, que esta redução resulta sobretudo da melhoria da economia.

“O rácio entre o défice e o PIB diminuiu principalmente devido a um PIB mais elevado, enquanto tanto a despesa como a receita aumentaram em termos absolutos em comparação com o primeiro trimestre de 2021”, explica o organismo de estatística da União Europeia.

O Eurostat assinala que a receita total e a despesa total continuam a ser influenciadas pelas respostas de política à pandemia, tendo a maioria dos países continuado a registar um défice orçamental no final do segundo trimestre. No segundo trimestre, Portugal foi o oitavo país da União Europeia entre os Estados com défice, que apresentou um menor rácio (-4,5%), havendo três países que registaram um excedente orçamental. França teve o maior défice, que chegou aos 9,6%.

No segundo trimestre, as receitas totais da zona euro ascenderam a 46,2% do PB, uma ligeira diminuição face aos 46,7% no primeiro trimestre. Já na União Europeia foi de 46% do PIB, uma redução em comparação com os 46,4% nos primeiros três meses do ano. Já a despesa pública na zona euro diminuiu para 53,1% (que compara com os 53,8% no trimestre anterior), enquanto na União Europeia foi de 52,3%, diminuindo ligeiramente face aos 52,9% no primeiro trimestre.

Recomendadas

Presidente da República promulga diploma para travar práticas comerciais desleais

O governo pretende contribuir para um mercado concorrencial no setor do turismo, livre de práticas comerciais “que desequilibrem as relações económicas”.

Trabalhadores da Fundação Casa da Música em greve por “discriminações salariais” e “falsos contratos”

Os trabalhadores da Fundação Casa da Música filiados no sindicato Cena-STE realizam hoje um dia de greve pelo fim das condições precárias de trabalho. Na base das queixas estão as discriminações salariais, falsos contratos a termo e recibos verdes e ausência de carreiras, entre outras. Sindicato acusa administração de “inflexibilidade negocial”.

Goldman Sachs diz que novas restrições decorrentes da pandemia vão travar a subida da inflação

“Reduzimos a nossa projeção de crescimento anual [da zona euro] para 5,1% para 2021 (queda de 0,1 pp) e 4,3% para 2022 (queda de 0,1 pp), mas aumentamos a nossa projeção de 2023 para 2,5% (subida de 0,1 pp)”, estimam os economistas do banco norte-americano.
Comentários