“Apenas os portugueses me podem silenciar pelo voto”, diz André Ventura em resposta a Ferro Rodrigues

Presidente da Assembleia da República faz advertência a André Ventura por usar “demasiadas vezes” a palavra “vergonha” no parlamento. Deputado do Chega reagiu: “Não será nenhum presidente da Assembleia da República designado pelo PS a silenciar-me”. E já pediu audiência a Marcelo Rebelo de Sousa.

No debate era sobre o amianto nos edifícios públicos, o presidente da Assembleia da República repreendeu o deputado do Chega. Ferro Rodrigues não quer que André Ventura utilize tantas vezes a palavra “vergonha” nas suas intervenções, mas Ventura considera que “é uma vergonha o que se está a passar no parlamento”. E já reagiu à intervenção da segunda figura do Estado português: “Apenas os portugueses me podem silenciar pelo voto”.

O deputado do Chega considera que “o que se passou é gravíssimo” e vai pedir uma audiência ao Presidente da República. “Vamos pedir imediatamente ao Presidente da República uma audiência com caráter de urgência sobre a forma como está a ser silenciada a oposição. Está em causa o regular funcionamento das instituições”, escreve, na sua página do Facebook, André Ventura.

Na sua página do Facebook o deputado do Chega deixa ainda uma mensagem a Ferro Rodrigues: “Fiz este juramento e tenciono cumpri-lo. Apenas os portugueses me podem silenciar pelo voto. Não será nenhum presidente da Assembleia da República designado pelo PS a fazê-lo. Ainda que tente!”. E refere-se ainda ao episódio: “Hoje o Presidente da Assembleia da República, a segunda figura do Estado português, decidiu , primeiro, repreender-me, e depois calar-me, nem sequer me permitindo o exercício da defesa da honra. Não gostou dos meus ataques ao Governo do PS nem da utilização da palavra ‘vergonha’. O que se passou hoje é gravíssimo e tem de ter consequências”. André Ventura  avança ainda que vai “pedir imediatamente ao Sr. Presidente da República uma audiência com carácter de urgência sobre a forma como está a ser silenciada a oposição”, considerando que “está em causa o regular funcionamento das instituições!”.

André Ventura intervinha no debate sobre a remoção de amianto de edifícios públicos e estava a terminar o seu discurso quando criticou que o Governo tenha verbas para subsídios vitalícios, mas não ter para a remoção daquele material. “Uma vergonha”, afirmou o deputado do Chega.

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, fez hoje uma advertência ao deputado do Chega, André Ventura, por utilizar com “demasiada facilidade” as palavras “vergonha” e “vergonhoso” nas suas intervenções no parlamento.

André Ventura intervinha no debate sobre a remoção de amianto de edifícios públicos e estava a terminar o seu discurso quando criticou que o Governo tenha verbas para subsídios vitalícios, mas não ter para a remoção daquele material. “Uma vergonha”, afirmou o deputado do Chega, já entre alguma vozearia dos deputados.

Ferro Rodrigues afirmou então que Ventura “usa muitas vezes” as palavras “vergonha” e “vergonhoso”, quando se dirige à câmara. “O senhor deputado utiliza com demasiada facilidade as palavras vergonha e vergonhoso, o que ofende muitas vezes este parlamento e ofende-o a si também”, afirmou Ferro Rodrigues, aplaudido pela bancada do PS.

André Ventura pediu a palavra para “defesa da honra”, dizendo que um deputado pode utilizar “as expressões que entende” em nome “da liberdade de expressão”, mas o presidente da assembleia respondeu: “Não há liberdade de expressão quando se ultrapassa a liberdade dos outros, que é o que o senhor faz.” E informou-o que já tinha esgotado o tempo. “É uma vergonha o que se está a passar neste parlamento”, respondeu André Ventura.

O deputado do Chega marcou para as 17:00 uma conferência de imprensa sobre o assunto, na Assembleia da República, onde declarou que espera um pedido de desculpas formal por parte de Ferro Rodrigues, durante esta quinta-feira, e deu conta de que vai pedir uma audiência a Marcelo Rebelo de Sousa.

Ler mais
Recomendadas

Ana Rita Bessa: “É muito difícil fazer oposição no Parlamento quando nas redes sociais a oposição vem do próprio partido”

Deputada referiu-se à “fotografia muito difícil” em que apareceu quando o CDS-PP se juntou ao PSD, PCP e Bloco de Esquerda aprovaram a reposição integral do tempo de serviço aos professores na Comissão Parlamentar de Educação.

Nuno Magalhães diz que João Almeida é “quem realmente irrita António Costa”

Antigo líder parlamentar sublinhou que todos os presidentes dos partidos de centro-direita que disputam eleitorado com o CDS-PP têm assento na Assembleia da República.

Ribeiro e Castro confirma apoio a Francisco Rodrigues dos Santos

Antigo presidente do CDS-PP insurgiu-se contra quem dentro do partido utiliza a “linguagem da esquerda” para designar o líder da Juventude Popular como um ultraconservador.
Comentários