“Apenas os portugueses me podem silenciar pelo voto”, diz André Ventura em resposta a Ferro Rodrigues

Presidente da Assembleia da República faz advertência a André Ventura por usar “demasiadas vezes” a palavra “vergonha” no parlamento. Deputado do Chega reagiu: “Não será nenhum presidente da Assembleia da República designado pelo PS a silenciar-me”. E já pediu audiência a Marcelo Rebelo de Sousa.

No debate era sobre o amianto nos edifícios públicos, o presidente da Assembleia da República repreendeu o deputado do Chega. Ferro Rodrigues não quer que André Ventura utilize tantas vezes a palavra “vergonha” nas suas intervenções, mas Ventura considera que “é uma vergonha o que se está a passar no parlamento”. E já reagiu à intervenção da segunda figura do Estado português: “Apenas os portugueses me podem silenciar pelo voto”.

O deputado do Chega considera que “o que se passou é gravíssimo” e vai pedir uma audiência ao Presidente da República. “Vamos pedir imediatamente ao Presidente da República uma audiência com caráter de urgência sobre a forma como está a ser silenciada a oposição. Está em causa o regular funcionamento das instituições”, escreve, na sua página do Facebook, André Ventura.

Na sua página do Facebook o deputado do Chega deixa ainda uma mensagem a Ferro Rodrigues: “Fiz este juramento e tenciono cumpri-lo. Apenas os portugueses me podem silenciar pelo voto. Não será nenhum presidente da Assembleia da República designado pelo PS a fazê-lo. Ainda que tente!”. E refere-se ainda ao episódio: “Hoje o Presidente da Assembleia da República, a segunda figura do Estado português, decidiu , primeiro, repreender-me, e depois calar-me, nem sequer me permitindo o exercício da defesa da honra. Não gostou dos meus ataques ao Governo do PS nem da utilização da palavra ‘vergonha’. O que se passou hoje é gravíssimo e tem de ter consequências”. André Ventura  avança ainda que vai “pedir imediatamente ao Sr. Presidente da República uma audiência com carácter de urgência sobre a forma como está a ser silenciada a oposição”, considerando que “está em causa o regular funcionamento das instituições!”.

André Ventura intervinha no debate sobre a remoção de amianto de edifícios públicos e estava a terminar o seu discurso quando criticou que o Governo tenha verbas para subsídios vitalícios, mas não ter para a remoção daquele material. “Uma vergonha”, afirmou o deputado do Chega.

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, fez hoje uma advertência ao deputado do Chega, André Ventura, por utilizar com “demasiada facilidade” as palavras “vergonha” e “vergonhoso” nas suas intervenções no parlamento.

André Ventura intervinha no debate sobre a remoção de amianto de edifícios públicos e estava a terminar o seu discurso quando criticou que o Governo tenha verbas para subsídios vitalícios, mas não ter para a remoção daquele material. “Uma vergonha”, afirmou o deputado do Chega, já entre alguma vozearia dos deputados.

Ferro Rodrigues afirmou então que Ventura “usa muitas vezes” as palavras “vergonha” e “vergonhoso”, quando se dirige à câmara. “O senhor deputado utiliza com demasiada facilidade as palavras vergonha e vergonhoso, o que ofende muitas vezes este parlamento e ofende-o a si também”, afirmou Ferro Rodrigues, aplaudido pela bancada do PS.

André Ventura pediu a palavra para “defesa da honra”, dizendo que um deputado pode utilizar “as expressões que entende” em nome “da liberdade de expressão”, mas o presidente da assembleia respondeu: “Não há liberdade de expressão quando se ultrapassa a liberdade dos outros, que é o que o senhor faz.” E informou-o que já tinha esgotado o tempo. “É uma vergonha o que se está a passar neste parlamento”, respondeu André Ventura.

O deputado do Chega marcou para as 17:00 uma conferência de imprensa sobre o assunto, na Assembleia da República, onde declarou que espera um pedido de desculpas formal por parte de Ferro Rodrigues, durante esta quinta-feira, e deu conta de que vai pedir uma audiência a Marcelo Rebelo de Sousa.

Ler mais
Recomendadas

PCP identifica seis cadeias de dependência externa que implicam “colonização económica e política”

Turismo, grande distribuição e a aposta no lítio e no hidrogénio não foram esquecidos na análise (muito crítica) que os comunistas fazem à economia portuguesa nas Teses que servirão de base ao XXI Congresso, que decorrerá entre 27 e 29 de novembro.

Hamas e Fatah chegam a acordo para a realização de eleições daqui a seis meses

Depois de 15 anos sem atos eleitorais, na sequência dos confrontos que resultaram da tentativa de coligação em 2006, as duas principais fações palestinianas procuram dar sinais de união numa altura em que o restante mundo árabe parece aberto à normalização dos laços com Israel.

Presidenciais: Paulo Pedroso na “estrutura organizativa” da candidatura de Ana Gomes

O ex-ministro do Trabalho Paulo Pedroso vai integrar a “estrutura organizativa” da candidatura de Ana Gomes a Presidente da República, confirmou hoje a própria numa declaração à agência Lusa.
Comentários