Apesar dos ganhos superiores a 3% dos CTT, PSI 20 cai e contraria Europa

No PSI 20, onze empresas cotadas desvalorizam, seis valorizam e uma negoceia sem variação.

O principal índice bolsista português (PSI 20) perde 0,11%, para 5.082,65 pontos, contrariando as principais congéneres europeias esta terça-feira, 3 de dezembro. No PSI 20, onze empresas cotadas desvalorizam, seis valorizam e uma negoceia sem variação.

A bolsa nacional é pressionada pelas quedas das papeleiras Altri (-0,36%), Semapa (-0,44%) e Navigator (-1,14%), da Sonae Capital (-1,64%), da NOS (-1,29%) e da Pharol (-1,64%).

Do lado oposto, destaca-se o ganho superior a 3% dos CTT, após a gestora de ativos Wellington Management Group ter reforçado a sua posição na operadora postal.

Nas praças europeias, a tendência é de ganhos, numa altura em que o conflito comercial entre os Estados Unidos e a China dispersa atenções. Na segunda-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, admitiu impor tarifas sobre as importações de aço e alumínio do Brasil e da Argentina, devido à desvalorização das moedas destes dois países da América do Sul. Trump acusou a Argentina e o Brasil de manipularem a sua moeda.

Recomendadas

Trump corta laço com a OMS mas não sobe tarifas à China e Wall Street fecha mista

Os Estados Unidos vão aumentar o escrutínio das empresas chinesas cotadas em Nova Iorque, algo que a Tencent se prepara para fazer já na próxima semana. “As empresas de investimento não devem sujeitar os clientes aos riscos escondidos e impróprios associados ao financiamento de empresas chinesas que não seguem as mesmas regras”, disse esta sexta-feira Donald Trump.

Bolsas europeias acabam semana com perdas. Papeleiras abalam PSI-20

Já EDP Renováveis subiu 1,71%, para 11,92 euros, um dia depois de ter informado que assegurou um contrato de 20 anos num leilão de energia eólica em Itália.

Wall Street abre mista à espera da conferência de imprensa de Donald Trump

A pressão vendedora começou a sentir-se logo ontem à noite, quando o presidente norte-americano informou que iria falar aos jornalistas sobre a China. “O governo dos Estados Unidos está… Vou usar a palavra furioso com o que a China fez nos últimos dias, semanas e meses”, disse esta sexta-feira o assessor económico da Casa Branca.
Comentários