‘App’ de rastreio de contactos manda mais de 600 mil britânicos isolarem-se no espaço de uma semana

O isolamento de centenas de milhares de pessoas está a provocar uma vaga massiva de faltas ao trabalho, com vários sectores a registarem falta de pessoal: retalho alimentar, postos de combustível, transportes de mercadorias, incluindo a polícia. Supermercados já registam prateleiras vazias.

Mais de 600 mil britânicos tiveram ordem para se isolarem por parte da aplicação de rastreio de contactos do serviço nacional de saúde (NHS Test and Trace) no espaço de apenas uma semana.

Este é um número recorde (619 mil) atingido em Inglaterra e o País de Gales durante a semana que terminou a 14 de julho. Apesar de quase sete em 10 adultos já terem todas as vacinas, todos são obrigados ao isolamento se a app sinalizar o seu caso, segundo a “Sky News”.

O caso já se tornou conhecido como ‘pingdemic’ e pode vir a provocar o caos no dia-a-dia dos britânicos. Apesar de estes números serem referentes a um período prévio ao do fim das restrições no ‘dia da liberdade’ na segunda-feira, a situação está a provocar prateleiras vazias nos supermercados por todo o país.

Os supermercados já estão a sentir “pressão” para manterem as prateleiras com produtos. É que o autoisolamento está a provocar faltas em massa ao trabalho, afetando o sector dos transportes de mercadorias, pessoal dos supermercados, de postos de combustível ou serviços postais, conta o “Guardian”.

O Governo de Boris Johnson já foi obrigado a intervir anunciando que os trabalhadores de certas indústrias, ou que estejam na primeira linha de combate à pandemia, ficam isentos de cumprir o isolamento durante 10 dias quando a ‘app’ sinaliza, mas a medida ainda tem de ser formalizada pelo executivo.

Este máximo foi revelado apenas três dias depois de o Governo britânico ter levantado as restrições na passada segunda-feira. Apesar de estar a vacinar a sua população a um ritmo elevado, 12% dos adultos ainda permanecem por vacinar, e quase todas as crianças não receberam vacina. Na semana passada, mais de um milhão de crianças não foram à escola devido a razões relacionadas com a Covid-19.

A cadeia Iceland anunciou que vai recrutar 2.000 pessoas para cobrir as ausências, tendo já anunciado que vai estar aberta menos horas por dia, devido às ausências de mais de mil dos seus trabalhadores.

Já a Tesco disse que tinha ficado sem água engarrafada para vender, enquanto a Co-op disse que estava a sofrer um “impacto significativo” na “grande maioria” das suas lojas.

A própria polícia britânica está a sofrer com a falta de agentes por todo o país, segundo o “Daily Telegraph”.

Recomendadas

Bolsonaro antecipa fraude eleitoral e Tunísia a caminho da ditadura. Veja “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Acompanhe o programa “A Arte da Guerra” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Turquia critica Estados Unidos por causa do plano para refugiados afegãos

Governo de Ancara antecipa um novo êxodo em direção às suas fronteiras, nas quais o país já está a implementar novos métodos de controlo de acesso.

Reino Unido pede resposta do Conselho de Segurança da ONU devido a “ações desestabilizadoras do Irão”

O governo de Boris Johnson escreveu à ONU, juntamente com a Roménia e a Libéria, países implicados na questão petroleiro recentemente atacado, sobre “a falta de respeito pelo direito internacional” de Teerão.
Comentários