Apresentação da Coligação Chega cancelada após ser travada por PPM

Conselho Nacional do PPM chumbou o que muitos dirigentes consideravam a utilização do partido enquanto “barriga de aluguer” do movimento criado por André Ventura.

A apresentação pública da Coligação Chega, que estava para marcada para a tarde desta quinta-feira em Lisboa, foi cancelada na sequência do Conselho Nacional do Partido Popular Monárquico (PPM), que decorreu na noite anterior e de onde saiu a recusa de participação na lista às eleições europeias encabeçada por André Ventura.

“O Chega continua a acreditar nesta coligação e irá lutar pela mesma”, garante um comunicado da formação política em processo de legalização criada por André Ventura, indicando que serão prestados em data a anunciar mais esclarecimentos acerca da participação nas eleições europeias de 26 de maio.

No Conselho Nacional do PPM prevaleceu a opinião de que os objetivos e programa do Chega não são compatíveis com os dos populares monárquicos, cujo presidente, Gonçalo da Câmara Pereira, seria uma das figuras de uma coligação que também incluiria o Democracia 21 e o Partido Cidadania e Democracia Cristã.

Entre alguns dirigentes e militantes do PPM temeu-se que o partido fosse utilizado como uma “barriga de aluguer” para contornar as dificuldades do Chega para cumprir os requisitos necessários para a sua legalização junto do Tribunal Constitucional.

Relacionadas

Vice do PPM não se revê na coligação com Chega para as europeias

Aline Hall de Beuvink sublinha que o PPM é um partido monárquico, cujos valores “não se coadunam com os princípios manifestados publicamente pelo movimento Chega”.

André Ventura lança coligação para as eleições europeias

Coligação junta Chega, Democracia 21, Partido Popular Monárquico e Partido Cidadania e Democracia Cristã. Pretende constituir um “bloco de direita” e eleger deputados para o Parlamento Europeu.

Tribunal Constitucional invalida centenas de assinaturas entregues pelo movimento Chega

Constituição do novo partido a tempo de concorrer às eleições europeias está em risco, dispondo de apenas 10 dias para substituir as assinaturas irregulares, entre as quais se incluem nomes de menores de idade e de agentes das forças policiais.
Recomendadas

Trabalhadores da CP voltam a reclamar integração da EMEF

A Comissão de Trabalhadores da Comboios de Portugal (CP) “tomou a liberdade” de endereçar uma carta ao ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, na qual afirma que a empresa precisa sem demora de mais trabalhadores, “da reintegração imediata da EMEF na CP” e da “reconstrução da Direção de Engenharia” da empresa. O cenário alternativo, diz […]

Arrendamento acessível: Governo tem 30 dias para definir preços máximos

O decreto-lei relativo a este programa foi publicado esta quarta-feira, em Diário da República, dando ao Governo um prazo de trinta dias para estipular os preços máximos de renda, o rendimento máximo dos inquilinos que queiram candidatar-se a este programa e as condições mínimas dos alojamentos.

Falta de lei de proteção de dados em Portugal prejudica trabalho e seguros, afirma CNPD

Em toda a União Europeia, apenas Portugal e a Grécia não têm ainda lei nacional que execute o regulamento, que está em aplicação há um ano em todos os Estados membros, desde 25 de maio de 2018.
Comentários