Apresentação da Coligação Chega cancelada após ser travada por PPM

Conselho Nacional do PPM chumbou o que muitos dirigentes consideravam a utilização do partido enquanto “barriga de aluguer” do movimento criado por André Ventura.

A apresentação pública da Coligação Chega, que estava para marcada para a tarde desta quinta-feira em Lisboa, foi cancelada na sequência do Conselho Nacional do Partido Popular Monárquico (PPM), que decorreu na noite anterior e de onde saiu a recusa de participação na lista às eleições europeias encabeçada por André Ventura.

“O Chega continua a acreditar nesta coligação e irá lutar pela mesma”, garante um comunicado da formação política em processo de legalização criada por André Ventura, indicando que serão prestados em data a anunciar mais esclarecimentos acerca da participação nas eleições europeias de 26 de maio.

No Conselho Nacional do PPM prevaleceu a opinião de que os objetivos e programa do Chega não são compatíveis com os dos populares monárquicos, cujo presidente, Gonçalo da Câmara Pereira, seria uma das figuras de uma coligação que também incluiria o Democracia 21 e o Partido Cidadania e Democracia Cristã.

Entre alguns dirigentes e militantes do PPM temeu-se que o partido fosse utilizado como uma “barriga de aluguer” para contornar as dificuldades do Chega para cumprir os requisitos necessários para a sua legalização junto do Tribunal Constitucional.

Relacionadas

Vice do PPM não se revê na coligação com Chega para as europeias

Aline Hall de Beuvink sublinha que o PPM é um partido monárquico, cujos valores “não se coadunam com os princípios manifestados publicamente pelo movimento Chega”.

André Ventura lança coligação para as eleições europeias

Coligação junta Chega, Democracia 21, Partido Popular Monárquico e Partido Cidadania e Democracia Cristã. Pretende constituir um “bloco de direita” e eleger deputados para o Parlamento Europeu.

Tribunal Constitucional invalida centenas de assinaturas entregues pelo movimento Chega

Constituição do novo partido a tempo de concorrer às eleições europeias está em risco, dispondo de apenas 10 dias para substituir as assinaturas irregulares, entre as quais se incluem nomes de menores de idade e de agentes das forças policiais.
Recomendadas

Autárquicas: Jerónimo acusa PS de usar aparelho do Estado para conquistar votos

O secretário-geral do PCP acusou hoje o PS de estar a utilizar o aparelho do Estado, nomeadamente a “bazuca europeia”, para conquistar votos nas eleições autárquicas, e exigiu que seja garantida a neutralidade dos órgãos de poder.

Autárquicas: Rio acusa Costa líder do PS de “desmentir” Costa PM sobre Matosinhos

O presidente do PSD acusou hoje António Costa de, enquanto líder do PS, ter desmentido no domingo o que disse enquanto primeiro-ministro sobre o encerramento da refinaria de Matosinhos, porque “para ele vale tudo para ganhar eleições”.

“PRR na campanha autárquica? É gravíssimo e só demonstra a falta de vergonha do PS”, considera candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considerou “gravíssima” a entrada do Plano de Recuperação e Resiliência na campanha eleitoral, algo que no entender deste consultor, “só demonstra a falta de vergonha” dos socialistas.
Comentários