Área Metropolitana de Lisboa registou maior descida nos preços do arrendamento em 2020

Olhando para as capitais de distrito, Lisboa (-9,8%) verificou a terceira maior descida do último ano, ficando atrás de Braga (-14,6%) e Viana do Castelo (-11%).

A Área Metropolitana de Lisboa (AML) registou em 2020 a maior descida nos preços de habitação para arrendamento, com uma quebra de -8,2%, de acordo com o índice de preços de arrendamento de maio de 2021, divulgado pelo ‘idealista’ esta terça-feira, 1 de junho.

Em termos globais os preços das casas para arrendar em Portugal desceram 6,3% num ano, em maio de 2021 face ao mesmo mês do ano anterior. Por outro lado, no mês em análise, o valor do m2 para arrendamento fixou-se nos 11 euros, apresentado uma descida na variação trimestral de 0,8%.

Além da AML, as regiões do Alentejo (-5,3%), do Algarve (-3,5%) e do Norte (-2,1%) foram aquelas que verificaram as diminuições mais acentuadas. Em sentido inverso, a Região Autónoma dos Açores registou a maior subida dos preços (22%), seguida pela Região Autónoma da Madeira (3,8%) e Centro (3,5%).

Sem surpresas a Área Metropolitana de Lisboa, com 12,5 euros/m2, continua a ser a região mais cara, seguida pelo Norte (9,3 euros/m2), Algarve (9,2 euros/m2), e Região Autónoma da Madeira (8 euros/m2). Por outro lado, a região Centro (6,4 euros/m2), o Alentejo (6,5 euros/m2) e a Região Autónoma dos Açores (7,2 euros/m2) são as que registam valores mais baratos.

Cidades capitais de distrito

Os dados do ‘idealista’ apontam para uma descida no preço de arrendamento em nove capitais de distrito, com Braga (-14,6%) e Viana do Castelo (-11%) e Lisboa (-9,8%) no topo, seguidos por Évora (-7,2%), Faro (-7%), Leiria (-6,1%), Castelo Branco (-2%), Porto (-1,9%) e Viseu (-0,8%).

Em sentido inverso, verificou-se um aumento dos preços em Ponta Delgada (9,7%), Coimbra (6,4%), Setúbal (5%), Aveiro (2,1%), e Funchal (1,3%).

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro arrendar casa, com um valor de 13,3 euros/m2. Segue-se o Porto (10,7 euros/m2) e Faro (8,5 euros/m2) no segundo e terceiro lugares, respetivamente. Já as cidades com valores por m2 mais baixo são Castelo Branco (4,4 euros/m2), Viseu (5,1 euros/m2) e Viana do Castelo (5,2 euros/m2).

Distritos/Ilhas

Ao nível dos distritos as maiores quebras no último ano registaram-se em Braga (-13,6%), Viana do Castelo (-13,2%), Lisboa (-8,5%), Faro (-3,5%), Leiria (-2,8%) e Porto (-1,2%), enquanto os aumentos aconteceram na Ilha de São Miguel (23,3%), em Viseu (15,7%), Coimbra (5,1%) e Ilha da Madeira (3,6%), Castelo Branco (2%), Aveiro (1,2%), Santarém (0,5%) e Setúbal (0,2%).

A tabela dos distritos mais caros é liderado por Lisboa (12,8 euros/m2), seguido pelo Porto (10 euros/m2), Faro (9,2 euros/m2), Setúbal (8,5 euros/m2) e Ilha da Madeira (8 euros/m2). Arrendar uma casa na Ilha de São Miguel custa 7,5 euros/m2, em Évora 7,2 euros/m2, Coimbra 7,1 euros/m2, Aveiro 6,8 euros/m2 e Braga 5,9 euros/m2.

Já os valores mais baixos surgem em Vila Real (4,4 euros/m2), Castelo Branco (5,1 euros/m2), Santarém (5,1 euros/m2), Viana do Castelo (5,2 euros/m2), Viseu (5,3 euros/m2) e Leiria (5,8 euros/m2).

Recomendadas

Banco de Espanha revê em alta previsão de crescimento do país para 6,2% em 2021

A instituição publicou esta segunda-feira o seu relatório trimestral sobre a economia espanhola no qual indica que a melhor evolução da economia está ligada à menor incidência da pandemia de covid-19, ao progresso da vacinação e a uma maior absorção dos fundos europeus.

Von der Leyen: Certificado Covid-19 aprovado num recorde de 62 dias (com áudio)

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, saudou hoje os responsáveis da presidência portuguesa da União Europeia (UE), Parlamento Europeu (PE) e executivo comunitário por terem conseguido aprovar o certificado digital covid-19 num recorde de 62 dias.

Inflação homóloga aumentou para 1,2% em maio

A classe com maior contributo positivo para a variação mensal do IPC foi a dos ‘transportes’, com uma variação mensal de 0,7% (0,5% no mês anterior e -1,3% em maio de 2020). Em sentido inverso, a classe com maior contributo negativo para a taxa de variação mensal do índice total foi a do ‘lazer, recreação e cultura’, com uma variação mensal de -0,6% (-0,3% em abril e -1,6% em maio de 2020).
Comentários