Áreas estratégicas da economia investiram mais de 9,44 mil milhões de euros em I&D em quatro anos

A Agência Nacional de Inovação diz que só as áreas de TIC e Saúde absorveram 35,5% do investimento.

Entre 2014 e 2017, os setores considerados estratégicos da economia nacional – vistos como “prioritários” na especialização inteligente – investiram mais de 9,44 mil milhões de euros em Investigação & Desenvolvimento (I&D), em termos acumulados, de acordo com os dados divulgados pela Agência Nacional de Inovação (ANI).

A informação consta do relatório “Despesa Nacional em I&D por área temática da ENEI (2014-2017)”, elaborado pela Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, e mostra que só em 2017 a despesa em I&D nos 15 setores prioritários cresceu 8,23% em termos homólogos. Aliás, as áreas de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e Saúde absorveram 35,5% desse investimento e tiveram aumentos de 15,6% e 13,7%, respetivamente, de 2016 para 2017.

Entre os segmentos de atividade económica que também tiveram acréscimos significativos na despesa com I&D nesses quatros anos estão a energia, agroalimentar e tecnologias da produção.

Nos próximos meses, a ANI vai promover um ciclo de eventos designado “Dinâmicas para a Inovação” que prevê, por exemplo, workshops e focus group meetings por todo o país. As sessões destinam-se a instituições de ensino superior, centros de interface, laboratórios colaborativos, gabinetes de transferência de tecnologia, ‘clusters’ e empresas das regiões onde decorrem.

Recomendadas

5G: Começou hoje a segunda fase da migração das frequências da TDT

A segunda fase da alteração da rede de emissores da televisão digital terrestre (TDT) arrancou esta segunda-feira, 24 de fevereiro, em Vila Nova de São Bento, no concelho de Serpa, um passo essencial para a implementação da quinta geração móvel (5G).

EUA: coronavírus não prejudica, por enquanto, a ‘phase 1’ do acordo comercial com a China

O secretário do tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, reconhece que o coronavírus pode atrasar o início das negociações sobre o aprofundamento do acordo comercial com Pequim, mas garantiu não estar preocupado com esse cenário.
catarina_martins_bloco_esquerda_legislativas_1

BE quer subsídio de alimentação da Função Pública como referência para o setor privado

A medida consta de um projeto de lei apresentado pelos bloquistas, que visa que o subsídio diário de alimentação dos trabalhadores do setor privado não seja inferior ao que definido para os trabalhadores da Administração Pública.
Comentários