Áreas estratégicas da economia investiram mais de 9,44 mil milhões de euros em I&D em quatro anos

A Agência Nacional de Inovação diz que só as áreas de TIC e Saúde absorveram 35,5% do investimento.

Entre 2014 e 2017, os setores considerados estratégicos da economia nacional – vistos como “prioritários” na especialização inteligente – investiram mais de 9,44 mil milhões de euros em Investigação & Desenvolvimento (I&D), em termos acumulados, de acordo com os dados divulgados pela Agência Nacional de Inovação (ANI).

A informação consta do relatório “Despesa Nacional em I&D por área temática da ENEI (2014-2017)”, elaborado pela Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, e mostra que só em 2017 a despesa em I&D nos 15 setores prioritários cresceu 8,23% em termos homólogos. Aliás, as áreas de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e Saúde absorveram 35,5% desse investimento e tiveram aumentos de 15,6% e 13,7%, respetivamente, de 2016 para 2017.

Entre os segmentos de atividade económica que também tiveram acréscimos significativos na despesa com I&D nesses quatros anos estão a energia, agroalimentar e tecnologias da produção.

Nos próximos meses, a ANI vai promover um ciclo de eventos designado “Dinâmicas para a Inovação” que prevê, por exemplo, workshops e focus group meetings por todo o país. As sessões destinam-se a instituições de ensino superior, centros de interface, laboratórios colaborativos, gabinetes de transferência de tecnologia, ‘clusters’ e empresas das regiões onde decorrem.

Recomendadas

Novos sinais de trânsito chegam às estradas portuguesas em abril de 2020

Alterações ao regulamento de sinalização de trânsito, hoje publicadas em Diário da República, indicam que a partir de 1 de abril de 2020 não podem ser colocados sinais novos que não estejam de acordo com as normas agora aprovadas.

Redução do malparado poderia aumentar PIB per capita em 12 pontos percentuais em dez anos

Estudo estima que alterações ao nível da qualidade da regulação também permitiriam que Portugal tivesse um maior crescimento económico, de mais de sete p.p. em dez anos, enquanto alterações no sistema legal e combate à corrupção poderiam contribuir para um aumento de mais de três p.p. do PIB per capita ao fim de dez anos.

Miguel Maya: “BCP já tem cinco mil operações por dia feitas por robôs”

“O BCP aprendeu com os erros do passado”, reconheceu o banqueiro. Miguel Maya disse que era preciso a tecnologia com a relação humana já que “a tecnologia é para servir a relação”, referiu.
Comentários